Imprensa livre e independente
02 de setembro de 2018, 09h53

FHC avalia que PSDB e PT disputam uma das vagas do segundo turno contra Bolsonaro

Na opinião do ex-presidente FHC, Jair Bolsonaro (PSL) antecipou a tradicional disputa entre PT e PSDB para o primeiro turno e ataques diretos a Bolsonaro não vão funcionar para roubar votos do candidato do PSL

Foto: Tânia Rego/Agência Brasil
Na opinião do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, Jair Bolsonaro (PSL) antecipou a tradicional disputa entre PT e PSDB para o primeiro turno. FHC comentou o cenário eleitoral em entrevista ao jornal Folha de S. Paulo. Confira os pontos principais da entrevista. “A decisão do TSE [Tribunal Superior Eleitoral] (em impedir a candidatura Lula) já era esperada. A Lei da Ficha Limpa está vigiando e é clara quanto aos requisitos para o registro de candidatos. Lei de iniciativa popular, aprovada pelo Congresso e sancionada pelo próprio presidente Lula.” De acordo com o tucano, a popularidade de Bolsonaro tem a ver com a...

Na opinião do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, Jair Bolsonaro (PSL) antecipou a tradicional disputa entre PT e PSDB para o primeiro turno. FHC comentou o cenário eleitoral em entrevista ao jornal Folha de S. Paulo.

Confira os pontos principais da entrevista.
“A decisão do TSE [Tribunal Superior Eleitoral] (em impedir a candidatura Lula) já era esperada. A Lei da Ficha Limpa está vigiando e é clara quanto aos requisitos para o registro de candidatos. Lei de iniciativa popular, aprovada pelo Congresso e sancionada pelo próprio presidente Lula.”

De acordo com o tucano, a popularidade de Bolsonaro tem a ver com a ideia de que “o mundo todo está sofrendo modificação na percepção das pessoas e, em alguns setores, alguém que simbolize a ordem tem alguma chance. As pessoas estão com medo do futuro, horrorizadas com a corrupção, a economia está parada e tem muita violência. Não se pode desprezá-lo”.

Ao comentar os 4% de popularidade do PSDB, o FHC minimizou o dado: “a eleição não é PT contra PSDB, é fulano contra beltrano. Sempre foi assim. Ou você acha que o PSDB ganhou a eleição quando eu ganhei? Eu ganhei. Ou que o PT ganhou quando Lula ganhou?  Lula ganhou”.

Veja também:  Com estilo análogo a Bolsonaro, Duterte aprofunda escalada autoritária nas Filipinas

O ex-presidente também acha que Alckmin não deve esconder o PSDB ou a ligação do partido com o governo Temer: “o povo não sabe, não se liga nisso. Uma coisa somos nós, intelectuais, jornalistas, que vivemos nesse meio. Para o povo, tem que mostrar como é o Geraldo. É uma fragilidade das instituições democráticas. O desempenho da personalidade, do líder, conta mais que os partidos”.

Para FHC, os processos judiciais envolvendo Alckmin e o governo paulista não devem atrapalhar o tucano: “Isso não é nada. Como Haddad, não tem nada. Lula está preso e deixou de ter voto? Por que Geraldo vai deixar de ter porque não sei quem está metido?

Com o percentual alto de Bolsonaro, o ex-presidente acha difícil um segundo turno entre PSDB e PT: Não sei até que ponto [a polarização entre] azul e vermelho vai continuar, a despeito dos dois partidos terem estrutura, muitas prefeituras, enraizamento, história. Tradicionalmente, a disputa ia ser PT e PSDB no segundo turno. Agora, eu acho que será para ver quem vai para o segundo turno”. FHC admite que uma parte do eleitor tucano migrou para Bolsonaro.

Veja também:  Vaza Jato: Dallagnol queria dinheiro da 13ª Vara para "filme de terror" contra a corrupção

FHC acredita que Alckmin deve apostar nas regiões onde o PSDB é consolidado: “O PSDB cresceu basicamente de São Paulo para o Sul. Centro-Oeste vai até o Acre. Chega no Rio, perde. Em Minas, às vezes ganha, às vezes perde, e no Nordeste inverte. Acho que a estratégia deve ser consolidar o que tem, e não arriscar onde não tem. A escolha da vice foi correta”.

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum