Categorias: Brasil Notícias

Filho de reitor da UFSC que se suicidou também é denunciado sem provas pelo MPF

Mikhail Cancellier, acusado de participação em esquema de desvio de verbas pelo MPF-SC, é filho do reitor da UFSC, Luiz Carlos Cancellier de Olivo, que se suicidou em outubro de 2017; seu caso será analisado pela mesma juíza que ordenou a prisão de seu pais

Por
Redação @revistaforum
-
12/07/2019 16:20
Compartilhar

O professor Mikhail Vieira Cancellier foi denunciado pelo Ministério Público Federal de Santa Catarina (MPF-SC), nesta sexta-feira (12) por peculato, em causa que o relaciona a um suposto esquema de desvio de verbas públicas federais de programas de educação à distância. Além de Cancellier, a denúncia dos promotores acusa outras 12 pessoas, todas elas ligadas à Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC).

Inscreva-se no nosso Canal do YouTube, ative o sininho e passe a assistir ao nosso conteúdo exclusivo

O sobrenome de Mikhail é o que mais chama a atenção neste caso: ele é filho de Luiz Carlos Cancellier de Olivo, ex-reitor da UFSC, preso pela Polícia Federal (PF), durante a Operação Ouvidos Moucos, acusado de obstrução da Justiça – também era suspeito de desvio de verbas, mas essa denúncia nunca foi provada pelos policiais e promotores, razão pela qual ele foi solto no dia seguinte. Após um mês de investigação e alguma pressão dos procuradores para se reinstalar o processo, Cancellier decidiu tirar a própria vida, ao se atirar do último andar de um shopping de Florianópolis, em outubro de 2017.

A prisão do reitor Cancellier, em setembro de 2017, foi autorizada pela juíza Janaína Cassol Machado, que curiosamente saiu de licença no dia seguinte à decisão. Em menos de 25 horas, a substituta de Cassol, a juíza Marjôrie Cristina Freiberger, determinou que ele fosse libertado imediatamente. A juíza que analisará o caso de Mikhail Cancellier e dos demais 12 acusados no processo recém instalado é a mesma Janaína Cassol.

Outra figura importante no caso do reitor Luiz Carlos Cancellier foi a delegada da PF, Erika Marena, responsável pela Operação Ouvidos Moucos, e que antes participou de tarefas da Operação Lava Jato, em Curitiba. Após o suicídio de Cancellier, Marena foi afastada do caso e transferida para Sergipe – hoje ela comanda o Departamento de Recuperação de Ativos e Cooperação Jurídica Internacional (DRCI), cargo para o qual foi indicada pelo ministro da Justiça, Sérgio Moro. Em março de 2019, ela ganhou outro cargo, sendo indicada como conselheira no Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf), quando o órgão já era badalado pela imprensa pelo escândalo do esquema laranja envolvendo o senador Flávio Bolsonaro e seu assessor Fabrício Queiroz.

O substituto de Marena na Ouvidos Moucos foi o delegado Nelson Napp, que no relatório final da operação apontou que Cancellier só não foi indiciado devido à sua morte, e que o filho teria sido um dos beneficiados pela suposta quadrilha. A acusação de Napp contra Mikhail Cancellier se baseia em um suposto esquema de corrupção que envolve transações financeiras ocorridas entre agosto e outubro de 2013, somando um total de R$ 7 mil, e que teriam sido realizadas por outro professor da UFSC, Gilberto Moritz, amigo de Luiz Carlos Cancellier.

Conclusão

Contudo, a conclusão do relatório final se sustenta principalmente em rumores, e não em provas: “Comenta-se que os recursos transferidos para Gilberto Moritz foram oriundos do projeto Especialização Gestão Organizacional e Administração em RH (TJ), coordenado por Luiz Carlos Cancellier, sendo este o ordenador de despesa do referido projeto. Após o recebimento dos recursos, Gilberto Moritz transferiu para Mikhail Vieira de Lorenzi Cancellier, filho do ex-reitor Cancellier, o valor de R$ 7.102”, diz o documento da PF. A denúncia do procurador André Bertuol apresenta a mesma conclusão e não mostra novas provas de que Mikhail Cancellier teria se beneficiado de um suposto esquema.

Para o advogado Edward Carvalho, que defende Mikhail Cancellier no caso, a denúncia é uma forma de justificar as investigações contra o pai do professor, e atacar sua memória. “Quebraram seu sigilo bancário e o que encontraram foi aquilo, R$ 7 mil de transferência em três meses. Ele já provou sua inocência durante o inquérito. Infelizmente agora vai ter que provar a inocência numa ação penal”, comenta o Carvalho.

Faça o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e teve tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo sério e rigoroso a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais. Mas o momento político exige mais da Fórum. Fique sócio e nos ajude a investir para fazer um jornalismo ainda melhor. Esse é o nosso compromisso.

Apoie a Fórum
Redação @revistaforum

Direto da Redação da Revista Fórum.

Última hora

  • Notícias
  • Vaza Jato

Com Moro, Dallagnol festeja por não ter sofrido punição de Conselhos do MP e da Justiça por palestras

Em novos diálogos divulgados nesta terça-feira (16) pela jornalista Mônica Bergamo, na Folha de S.Paulo, Dallagnol ainda tenta convencer Moro…

16/07/2019 06:17
  • Notícias
  • Vaza Jato

Órgão do MPF se manifesta contra ações de Dallagnol na Vaza Jato

Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão não poupou nas críticas; essa é a primeira vez membros do MPF se pronunciaram…

15/07/2019 22:39
  • Notícias
  • o colunista
  • Opinião

Dois anos de reforma trabalhista: 14 coisas que você perdeu

Cleber Lourenço: “Com a alta do desemprego após dois anos de aprovação da reforma, a mesma ainda permite você negociar…

15/07/2019 22:31
  • Brasil
  • Notícias

Livro desvenda a face agrária de trajetória política de Fernando Henrique Cardoso

O observatório De Olho nos Ruralistas e a editora Autonomia Literária acabam de lançar a obra “O Protegido – por…

15/07/2019 21:45
  • Notícias
  • Vaza Jato

Toffoli quer que Moro e Polícia Federal digam se há investigação contra Glenn

A PF, subordinada a Moro, teria pedido ao Coaf um relatório das atividades financeiras do editor do The Intercept

15/07/2019 21:35
  • Notícias
  • Vaza Jato

Jornal Nacional ignora novas revelações da Vaza Jato

Vazamentos que envolvem Sérgio Moro e Deltan Dallagnol não tiveram espaço no noticiário da Rede Globo

15/07/2019 21:29