#Fórumcast, o podcast da Fórum
21 de setembro de 2018, 19h06

Mordomia – O termo cunhado pelo jornalista Ricardo Kotscho que virou samba e desnudou os militares

Jantares, viagens, auxílio-moradia, vários carros e motoristas e outras mordomias que desfrutavam os militares que instauraram a ditadura para combater a corrupção e o comunismo

Foto: Arquivo/Reprodução

Mordomia. O termo ficou consagrado pelo imaginário popular a ponto de virar até um samba do saudoso Almir Guineto. A palavra serve, a princípio, para designar as benesses que os políticos usurpam com os seus mandatos. Coisas como lautos jantares, viagens, auxílio-moradia, vários carros e motoristas entre outras que frequentam até hoje os noticiários.

Mas não se engane o leitor ao achar que isso é invenção dos políticos e juízes dos dias atuais. O ato de se refestelar com o dinheiro público no Brasil nasceu, provavelmente, com a chegada da família real, em 1808 e nunca mais acabou.

Mas o termo mordomia, que traduz tão bem a prática, surgiu mesmo com uma série de matérias de Ricardo Kotscho para o jornal O Estado de S. Paulo, em 1976, auge da ditadura militar. E os textos tratavam justamente da prática entre membros e ministros do regime, tanto civis quanto militares, estes mesmos que se jactam ao propalar que no tempo deles tudo era honestidade e estoicismo. Estes mesmos que, historicamente, usam o combate à corrupção para justificar seus golpes e regimes.

Kotscho, que já contou e recontou essa história inúmeras vezes, inclusive no livro “Do Golpe ao Planalto – Uma vida de repórter”, lembra em suas memórias que o ponto de partida foi o fim da censura prévia nos jornais. Aos mais novos não custa lembrar que no auge da ditadura, todas as redações contavam com a presença de um censor, pelo qual passavam todas as matérias que seriam publicadas.

Muitas delas, é claro, após o longo e extenso trabalho do jornalista, sofriam tesouradas e até mesmo eram cortadas totalmente. Os versos de “Os Lusíadas”, de Luís Vaz de Camões, apareceram 655 vezes nas páginas do Estado, de 2 de agosto de 1973 a 3 de janeiro de 1975, no lugar das matérias cortadas. Já no Jornal da Tarde, Ruy Mesquita optou pela publicação de receitas de bolos e doces.

Em 1976, a ditadura dava os primeiros sinais de arrefecimento. Os censores saíram das redações e, segundo relato de Kotscho, o então diretor de redação do Estadão, Fernando Pedreira, mos­trou uma reportagem da revista New Yorker sobre a boa vida e os privilégios dos altos funcionários na então União Soviética. “Dá uma olhada nisso. Você vai descobrir que aqui é a mesma coisa.”

A primeira fonte do repórter para levantar os dados foi o próprio Diário Oficial. Nele, aparecia a palavra-chave em forma de rubrica, que especificava a relação de comes, bebes, cartões de crédito e benfeitorias em geral destinadas aos ministros e altos funcionários: mordomia.

As matérias foram, enfim, publicadas, sem cortes nem censura de espécie alguma. A repercussão estrondosa foi descrita pelo próprio Ricardo Kotscho e vale a pena reproduzir o trecho na íntegra:

As edições do jornal esgotavam rapidamente nas bancas de todo o país e pessoas tiravam cópias (não me lembro se já existia xerox, mas sei que tiravam de algum jeito) para quem não conseguia comprar o Estadão. Não houve desmentidos, ninguém foi processado, mas por muitos dias não se falou de outra coisa no Congresso Nacional e em tudo que era canto do país. Também não me lembro se alguém foi punido no governo, mas temo que a denúncia das mordomias tenha provocado um efeito contrário ao que eu imaginava: em vez de acabar com elas, fiquei sabendo depois que elas se alastraram por outros escalões e latitudes das diferentes esferas de poder.

Ganhamos o Prêmio Esso de equipe daquele ano e fiz questão de convidar colegas que participaram do trabalho para recebê-Io e dividi-lo junto comigo, em São Paulo. Não houve festa nem cerimônia, como habitualmente acontece. O prêmio foi entregue na redação do jornal mesmo, junto à mesa do editor-chefe Clóvis Rossi, meu mestre e grande incentivador dos jovens repórteres que éramos todos naquela época.

Mordomia passou a fazer parte do vocabulário do dia a dia do brasileiro. A ditadura acabou, o jornal mudou, eu fui ser correspondente do JB na Alemanha, e nunca mais se deixou de denunciar o que havia de privilégio ou abuso na vida dos donos do poder. Bons tempos esses, apesar de tudo.

Capa do livro de Ricardo Kotscho. Foto: Divulgação

O jornalista Ricardo Kotscho foi procurado pela Fórum para falar sobre a série de matérias. Impedido por compromissos, ressaltou que toda a história estava contada em detalhes no seu livro “Do Golpe ao Planalto – Uma Vida de Repórter”, publicado em 2006, pela Companhia das Letras.

Leia aqui trechos da série de matérias de Ricardo Kotscho sobre a mordomia dos funcionários estatais para o Estadão, escritas em 1976


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum