Imprensa livre e independente
10 de maio de 2013, 20h10

“Fui torturado pelo Coronel Ustra”, diz vereador Natalini

Sessão teve que ser interrompida após bate boca entre vereador e militar processado por ocultação de cadáver

Sessão teve que ser interrompida após bate boca entre vereador e militar processado por ocultação de cadáver Por Igor Carvalho Natalini acusou Ustra (foto) de ter comandado as sessões de tortura do vereador paulistano (Foto: Wilson Dias/ABr) O coronel reformado Carlos Alberto Ustra depôs, nesta sexta-feira (10), na Comissão Nacional da Verdade (CNV), em Brasília. O militar, que comandou o Destacamento de Operações de Informações do Centro de Operações de Defesa Interna (DOI-Codi), entre 1970 e 1974, negou envolvimento em ocultações de cadáver e torturas.  “Os terroristas foram mortos em combate”, disse Ustra. O fato foi contestado pelo vereador Gilberto Natalini...

Sessão teve que ser interrompida após bate boca entre vereador e militar processado por ocultação de cadáver

Por Igor Carvalho

Natalini acusou Ustra (foto) de ter comandado as sessões de tortura do vereador paulistano (Foto: Wilson Dias/ABr)

O coronel reformado Carlos Alberto Ustra depôs, nesta sexta-feira (10), na Comissão Nacional da Verdade (CNV), em Brasília. O militar, que comandou o Destacamento de Operações de Informações do Centro de Operações de Defesa Interna (DOI-Codi), entre 1970 e 1974, negou envolvimento em ocultações de cadáver e torturas.  “Os terroristas foram mortos em combate”, disse Ustra.

O fato foi contestado pelo vereador Gilberto Natalini (PV-SP), que é presidente da Comissão Municipal da Verdade de São Paulo. “Eu fui torturado pelo senhor”, disse o parlamentar apontando para Ustra.

Logo após a intervenção do vereador paulistano, o militar se manifestou aos gritos. “Não faço acareação com terrorista.” Em seu depoimento para a CNV, Natalini afirmou que “Ustra sempre esteve presente nas sessões de tortura”.

O parlamentar, que à época era estudante de medicina e integrante do centro acadêmico, narrou o episódio em que foi colocado nu em uma poça d’água e foi torturado. “Ele [Ustra] chamou a tropa para que eu fizesse uma sessão de poesia. Durante horas ele ficou me batendo com uma vara. Outros vinham e me davam telefone [tapa com as mãos nos ouvidos] e muito eletrochoque.” Os ânimos se exaltaram com apoiadores de ambos os lados gritando. A sessão foi interrompida.

Veja também:  Diretor de filme sobre a Ditadura diz sofrer "patrulha ideológica" do governo Bolsonaro

Ustra é réu em um processo do Ministério Público Federal pelo sumiço do corpo do estudante de medicina Hirohaki Torigoe, então com 27 anos, assassinado em 5 de janeiro de 1972. “Agi com a consciência tranquila. Nunca ocultei cadáver. Sempre agi dentro da lei”, disse o militar à CNV.

O ex-comandante do DOI-Codi afirmou ainda que nunca houve torturas, assassinatos e sequestros praticados pelo órgão de repressão da ditadura militar.

Com informações da Agência Brasil

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum