Imprensa livre e independente
28 de dezembro de 2018, 12h07

General Mourão afirma que futuro governo fará “desmanche do Estado”

O vice-presidente eleito se negou a comentar a situação do ex-motorista de Flávio Bolsonaro, Fabrício Queiroz, que se apresentou como comerciante de carros para justificar a movimentação milionária em sua conta corrente

O general Mourão. Foto: YouTube
Em entrevista ao Valor Econômico, o general Hamilton Mourão, vice-presidente de Jair Bolsonaro, defende que o futuro governo encaminhe ao Congresso Nacional uma proposta de emenda constitucional para desvincular o Orçamento da União. “A Constituição engessa o país”, afirmou. Mourão afirmou que o governo não começará “na base de impactos e pacotes”, mas que todos os ministros deverão no dia 14 de janeiro, data marcada para acontecer a primeira reunião ministerial, apresentar metas e objetivos para “desregulamentar” e “desburocratizar” suas áreas. Fórum precisa ter um jornalista em Brasília em 2019. Será que você pode nos ajudar nisso? Clique aqui e saiba mais...

Em entrevista ao Valor Econômico, o general Hamilton Mourão, vice-presidente de Jair Bolsonaro, defende que o futuro governo encaminhe ao Congresso Nacional uma proposta de emenda constitucional para desvincular o Orçamento da União. “A Constituição engessa o país”, afirmou.

Mourão afirmou que o governo não começará “na base de impactos e pacotes”, mas que todos os ministros deverão no dia 14 de janeiro, data marcada para acontecer a primeira reunião ministerial, apresentar metas e objetivos para “desregulamentar” e “desburocratizar” suas áreas.

Fórum precisa ter um jornalista em Brasília em 2019. Será que você pode nos ajudar nisso? Clique aqui e saiba mais

O general defende que o texto da reforma da Previdência enviado pelo governo Michel Temer seja aproveitado e diz que os militares também estão dispostos a dar a sua contribuição com mudanças. O vice-presidente sugeriu ainda que Bolsonaro dê explicações da situação das contas públicas aos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) que, ao aprovarem um aumento de 16,38% nos vencimentos, mostram” desconhecer a realidade”.

Veja também:  Bolsonaro chama taxa ambiental de R$ 106 em Fernando de Noronha de "roubo" e diz que vai rever

“Eu acho que a reforma da previdência atual vai ter que ser aproveitada, até pelo problema de prazo. Se a gente for voltar para a estaca zero não vamos conseguir produzir nada no ano que vem. Poderia ser feito um adendo aqui outro ali dentro da visão que se tem. Mas o que está sendo trabalhado, eu não tenho dado concreto disso, vai ser colocado só nessa reunião de janeiro. Mas temos que usar o que está lá e colocar uma coisa a mais, que isso é permitido pelo regulamento interno do Congresso, para que a gente consiga no primeiro semestre tentar passar isso aí.”, disse Mourão.

Leia também: A farsa do Queiroz e o jornalismo farsante do SBT

Dívida

Mourão defende ainda que, com as reformas aprovadas, será possível conversar com os investidores sobre o alongamento do prazo dívida mobiliária interna. E que talvez a principal tarefa seja o desmanche: “No Exército a gente tem um ditado: chefe bonzinho morre coitadinho. Não pode ser bonzinho, porque depois as próximas gerações serão beneficiadas. Hoje, as próximas gerações não têm futuro, do jeito que está”, avaliou.

Veja também:  Frota nas páginas amarelas da Veja: "O Jair fala demais"

O vice-presidente eleito se negou a comentar a situação do ex-motorista de Flávio Bolsonaro, Fabrício Queiroz, que se apresentou como comerciante de carros para justificar a movimentação milionária em sua conta corrente: “Sem comentários. Hoje isso é um problema do Ministério Público do Rio de Janeiro, não tenho nada a ver com isso”, finalizou o militar.

Agora que você chegou ao final desse texto e viu a importância da Fórum, que tal apoiar a criação da sucursal de Brasília? Clique aqui e saiba mais

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum