Bolívia: Movimentos sociais marcham até La Paz contra golpe sob gritos de "guerra civil"

Marchas para a capital do país se intensificam mesmo com a repressão do Exército. Indígenas e cocaleiros denunciam o aspecto racista do golpe e falam em guerra civil para derrubar os golpistas Camacho e Mesa

Foto: Reprodução/Twitter
Escrito en GLOBAL el
Os movimentos sociais bolivianos seguem mobilizando uma grande marcha até a capital do país, La Paz, nesta segunda-feira (11). A renúncia de Evo Morales provocada pelas pressões das forças golpistas e as reações racistas promovidas pela extrema direita após a consumação do golpe, gerou uma forte indignação nas camadas populares, que prometem retomar o país. As Forças Armadas, no entanto, já estão nas ruas. "Agora sim, guerra Civil" é o grito que pode ser escutado em marchas promovidas pelos manifestantes, que partem da cidade de El Alto para La Paz, com o objetivo de impedir a consolidação do golpe comandado pela direita com apoio dos militares. Muitos dos manifestantes carregavam bandeiras Whipalas, que representam os povos originários latino-americanos e foi tornada a segunda bandeira oficial da Bolívia pela Constituição de 2008, quando o país se tornou um Estado Plurinacional. Nas comemorações da extrema direita, Whipalas foram queimadas, expondo o lado racista do golpe. "Estamos pedindo como povo altenho que se respeite a nossa Whipala, porque ela representa o sangue Aymara, o sangue Quechua, o sangue Guarani, mas Camacho e Mesa fizeram queimar nossa Whipala. Nós vimos como Camacho chegou até aqui, usa a Bíblia para pisotear o povo Aymara", disse um líder indígena, respondido com gritos de "Mesa, Camacho, queremos sua cabeça" e "A Whipala se respeita". Além dos indígenas, os cocaleiros de Chimoré anunciaram mobilização contra a derrubada do governo. Gritos de "guerra civil" também foram entoados. Chimoré foi a cidade onde o presidente e seu vice, Álvaro Garcia Linera, apresentaram renúncia. Antes de chegar à presidência, Morales era líder sindical cocaleiro. A repressão da polícia e do exército contra os indígenas tem registrado fortes imagens. Durante as mobilizações violentas da extrema direita, as forças de segurança estavam aquarteladas, permitindo o avanço do intento golpista. [video width="640" height="352" mp4="https://cdn.revistaforum.com.br/wp-content/uploads/2019/11/bolivia-v2.mp4"][/video]   Uma nota publicada na tarde desta segunda-feira (11) expõe a mudança de postura das Forças Armadas. "O Alto Mando Militar ordenou que a partir deste momento em todo o território nacional nossas unidades militares executem o Plano "Sebastián Pagador" que tem como finalidade resguardar os serviços públicos essenciais para garantir seu funcionamento, a paz e a estabilidade do nosso país", diz nota. Antes da renúncia de Morales, as Forças Armadas da Bolívia afirmaram que não iriam derramar sangue de bolivianos porque o seu dever é proteger nosso povo. A mensagem publicada nesta segunda demonstra ainda mais a adesão dos militares ao golpe comandado por Luis Fernando Camacho e Carlos Mesa. https://twitter.com/Marco_Teruggi/status/1193988431837376517 https://twitter.com/ErbolDigital/status/1193970174602420224 https://twitter.com/LaRazon_Bolivia/status/1193981267483746304 https://twitter.com/alagoano_o/status/1193974454910701568 [video width="240" height="432" mp4="https://cdn.revistaforum.com.br/wp-content/uploads/2019/11/chile-v1.mp4"][/video]