FUJÃO

Hospital dos EUA desmente suposta internação de Bolsonaro

Michelle Bolsonaro diz que o marido passou mal e está em observação, mas unidade de saúde em Orlando nega

Michelle diz que Bolsonaro está internado nos EUA, mas hospital nega.Créditos: Reprodução / Twitter
Escrito en GLOBAL el

No início da tarde desta segunda-feira (9), um dia após os atos terroristas com ataques à democracia promovidos por bolsonaristas em Brasília, o colunista Lauro Jardim, do jornal O Globo, informou que Jair Bolsonaro se internou no hospital AdventHealth, em Orlando (EUA), após passar mal e sentir dores abdominais. 

Horas depois, a ex-primeira-dama Michelle Bolsonaro confirmou, através das redes sociais, a internação do marido, aproveitando para tentar associar Adélio Bispo, autor da facada no ex-presidente em 2018, à esquerda. "Meus queridos, venho informar que meu marido Jair Bolsonaro se encontra em observação no hospital, em razão de um desconforto abdominal decorrente das sequelas da facada que levou em 2018 de um ex-filiado ao PSOL", escreveu, fazendo ainda pedidos de oração pelo ex-presidente e "pelo Brasil". 

O hospital AdventHealth, no entanto, desmentiu a informação. Questionados por jornalistas sobre a suposta internação de Bolsonaro, funcionários informaram que nenhum paciente com o nome de Jair Bolsonaro deu entrada no local

Deportação ou extradição

O cerco pode estar se fechando para Jair Bolsonaro após os atos terroristas promovidos por seus apoiadores em Brasília neste domingo (8). O ex-presidente fugiu para os EUA no dia 31 de dezembro de 2022 e já há movimentações para que ele seja extraditado do país e, assim, possa ser investigado e eventualmente responsabilizado pelo levante golpista que atacou os prédios do Palácio do Planalto, Supremo Tribunal Federal (STF) e Congresso Nacional. 

Nesta segunda-feira (9), o porta-voz do Departamento de Estado dos EUA, Ned Price, afirmou que Bolsonaro pode estar em situação ilegal no país, já que é provável que o visto usado pelo ex-presidente para entrar em território estadunidense não seja mais válido. Sem dar detalhes, Price fez a declaração ao ser questionado sobre o assunto por jornalistas durante coletiva de imprensa. 

O porta-voz explicou que, caso Bolsonaro tenha entrado nos EUA com seu passaporte diplomático de presidente, ele teria 30 dias para retornar ao Brasil, já que ele não exerce mais a função de mandatário. “De forma geral, se alguém entra nos Estados Unidos com um visto A, essencialmente um visto diplomático para diplomatas estrangeiros e chefes de Estado, se um portador de um visto A não está mais envolvido em assuntos oficiais relacionados aos seus governos, cabe ao portador do visto sair dos EUA ou pedir uma mudança de tipo de autorização migratória em até 30 dias", disse. 

Price ainda sinalizou que Bolsonaro, de fato, pode ser deportado. "Se um indivíduo não tem motivo para estar nos Estados Unidos, ele está sujeito a remoção pelo Departamento de Segurança Interna", sentenciou. 

No Congresso Nacional brasileiro também já há movimentações neste sentido e que visam responsabilizar Bolsonaro pelo ataque golpista aos prédios dos Poderes da República na capital federal. Nesta segunda-feira (9), o senador Renan Calheiros (MDB-AL) protocolou uma petição junto ao Supremo Tribunal Federal (STF) solicitando que a Corte obrigue o ex-mandatário a retornar ao Brasil para que seja investigado no inquérito dos atos antidemocráticos. 

"É importante pontuar que o atentado à democracia ocorrido ontem foi resultado do acúmulo das falas golpistas e antidemocráticas de JAIR MESSIAS BOLSONARO, proferidas desde sempre, mesmo antes de sua eleição para a presidência da República, mas, principalmente, durante os quatro anos em que ocupou o Palácio do Planalto", diz Calheiros na ação. 

Entre as solicitações, Renan Calheiros pede para que o STF intime Bolsonaro a retornar ao Brasil no prazo máximo de 72 horas e que, caso descumpra a ordem de retorno, seja decretada sua prisão preventiva.