VENEZUELA

O novo mapa da Venezuela que provoca os EUA e preocupa o Brasil

Maduro avança politicamente de maneira rápida para anexar o Esequibo; Forças Especiais são deslocadas para a região

Maduro apresentou novo mapa do país com região de Esequibo anexadaCréditos: Zulimar Castro/Instagram/Nicolás Maduro
Escrito en GLOBAL el

Em discurso na noite desta terça-feira (5), o presidente da Venezuela Nicolás Maduro mostrou um mapa do país com a região do Esesquibo já incorporada ao território sob controle de Caracas.

No domingo (3), a população venezuelana votou pela anexação do Essequibo, território atualmente sob controle de facto da Guiana. Mais de 96% do eleitorado presente aprovou a incorporação da região ao território da Venezuela.

O governo Maduro propôs o plebiscito para se antecipar contra uma possível decisão desfavorável da Corte Internacional de Justiça (CIJ), que está fazendo uma arbitragem sobre a região da Guiana.

Com a aprovação do plebiscito, o estado venezuelano marcha em ritmo alto para tentar realizar uma possível anexação da maneira mais rápida possível.

O governo já incorporou a região em seus mapas e criou oficialmente uma província administrativa para o Essequibo

A Guiana olha para o movimento com preocupação e já chamou um grupo especial do Comando Sul dos EUA para defender seu território.

Maduro não gostou. “Estados Unidos, eu aconselho, longe daqui. Deixem que a Guiana e a Venezuela resolvam este assunto em paz”, disse o presidente venezuelano.

O deslocamento de tropas especiais da Venezuela para a região antecipando uma possível militarização do conflito é um sinal que não pode ser desconsiderado.

Significa que o Exército Bolivariano vai invadir o Essequibo amanhã? Também não. EUA, Guiana, Brasil e Argentina não querem essa guerra. E isso não pode ser desconsiderado.

E o Brasil?

O Brasil definitivamente não quer uma ação militar na região. Lula já pediu para venezuelanos e guianenses para que resolvam a situação diplomaticamente.

Um conflito na região significa instabilidade na região, aumento nos preços internacionais de petróleo, e conflitos muito próximos do território brasileiro.

Além disso, cria um problema:: o Brasil tem se esforçado para trazer Maduro para as mesas de negociações e para o tabuleiro da América do Sul. Uma guerra isolaria novamente a Venezuela.