PERIGO FLORESTAL

Cúpula da Amazônia: Floresta pode chegar a ponto de não retorno, alertam cientistas

Encontro recebe discussões urgentes; Cientistas e líderes indígenas alertam sobre iminente devastação irreversível

Desmatamento na Amazônia.Créditos: Amazônia Real from Manaus AM, Brasil/Wikimedia Commons
Escrito en GLOBAL el

Enquanto os líderes dos países amazônicos se reúnem na Cúpula da Amazônia para discutir o desenvolvimento sustentável da região, cientistas e líderes indígenas lançam um alarme urgente: a Amazônia está à beira de um ponto de não retorno. A reunião, que começounesta terça-feira (8), em Belém, busca fortalecer a cooperação entre os países que ocupam o bioma através da Organização do Tratado de Cooperação Amazônica (OTCA). No entanto, a sombra do colapso ambiental paira sobre as discussões enquanto especialistas advertem sobre os perigos iminentes enfrentados pela floresta tropical.

A Cúpula da Amazônia, que reúne chefes de Estado de países amazônicos, é um esforço conjunto para enfrentar os desafios que a região enfrenta. Liderados pelo presidente Lula (PT), os líderes da Bolívia, Colômbia, Guiana, Peru e Venezuela buscam discutir medidas concretas para o desenvolvimento sustentável e proteção do bioma amazônico. Equador e Suriname, mesmo não enviando representantes devido a questões internas, também estão envolvidos nesse importante diálogo.

Ajude a financiar o documentário da Fórum Filmes sobre os atos golpistas de 8 de janeiro. Clique em http://benfeitoria.com/apoieAto18 e escolha o valor que puder ou faça uma doação pela nossa chave: pix@revistaforum.com.br.

Cientistas e líderes indígenas advertem que a Amazônia pode estar a apenas alguns anos de um ponto de não retorno. Desmatamento, degradação e queimadas têm impulsionado essa crise iminente, e o ciclo vicioso de desmatamento e seca ameaça desencadear consequências catastróficas. A urgência dessa situação aumenta a pressão sobre os líderes da Cúpula para que adotem ações concretas e imediatas.

A Cúpula da Amazônia surge na sequência dos Diálogos Amazônicos, um evento que reuniu diversas vozes, incluindo entidades, movimentos sociais, academia e agências governamentais, para debater a formulação de políticas públicas sustentáveis para a região. As propostas resultantes desses diálogos serão apresentadas aos chefes de Estado durante a cúpula, com a esperança de que essas sugestões encontrem espaço nos planos de cada nação para um futuro mais resiliente na Amazônia.

O governo brasileiro, representado pelo presidente Lula, manifestou o compromisso de criar mecanismos transparentes para o acompanhamento da implementação das propostas. Márcio Macêdo, ministro da Secretaria-Geral da Presidência da República, enfatizou o interesse político em garantir a participação da sociedade civil na monitorização das políticas adotadas. Essa iniciativa ressoa com a busca pela preservação da Amazônia e pela criação de uma base sólida para um futuro mais sustentável.

A Cúpula da Amazônia é um ponto de encontro crucial para os líderes dos países amazônicos enfrentarem os desafios complexos que a região enfrenta. Enquanto eles buscam fortalecer a cooperação regional por meio da OTCA, a sombria realidade de um ponto de não retorno iminente ecoa, chamando a atenção para a urgência de ações concretas e colaborativas. Através da Cúpula, os líderes têm a oportunidade de mostrar um compromisso inabalável com a preservação da Amazônia e o estabelecimento de uma base sólida para um futuro sustentável na região.

Enquanto a Cúpula da Amazônia reúne líderes em Belém, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva utilizou as redes sociais para ressaltar a importância da mobilização em defesa da Amazônia. Em um tuíte, Lula compartilhou a expressiva participação nos Diálogos Amazônicos, que reuniu mais de 26 mil representantes de movimentos sociais e discutiu questões de desenvolvimento sustentável e transição energética. Lula destacou o caráter histórico desse engajamento e enfatizou o compromisso contínuo com a proteção da Amazônia e de sua população.

Enquanto a Cúpula da Amazônia continua a se desenrolar, a atenção mundial permanece focada na busca por soluções eficazes e urgentes para preservar esse ecossistema vital e garantir um futuro sustentável para a região e suas comunidades.

Veja o tuite do presidente