HORROR TOTAL

Netanyahu sobre ataque que matou 40 mulheres e crianças em Rafah: “acidente trágico”

Premiê israelense justificou com essa sublime expressão a carnificina que incinerou quase meia centena de civis em Rafah na última noite

O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, e civis palestinos tentando socorrer vítimas do massacre.Créditos: Gabinete do Primeiro-Ministro de Israel (Amos Ben Gershom) e Al Jazeera (Reprodução)
Escrito en GLOBAL el

O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, resolveu se manifestar sobre o morticínio empreendido na noite de domingo (26), em Rafah, na Faixa de Gaza, em que a aviação militar de seu país matou mais de 45 civis, sem pelo menos 40 mulheres e crianças, após um bombardeio que incinerou um campo de refugiados. O líder de extrema direita limitou-se a classificar a matança como “acidente trágico” (“tragic mistake”, conforme reporta a agência Associated Press, que o traduziu como “erro”, embora a imprensa israelense em hebraico reporte como “acidente”). A fala foi proferida no parlamento, o Knesset, e em hebraico.

“Apesar dos nossos máximos esforços para não ferir civis inocentes, na noite passada, houve um acidente trágico. Nós estamos investigando o incidente e vamos obter uma conclusão, pois essa é a nossa postura”, disse o chefe de governo do Estado judeu.

Massacre brutal

As forças militares de Israel, além de assassinarem ao menos 45 civis palestinos, na noite de domingo (26), ao bombardearem uma área demarcada como "zona humanitária" em Rafah, no Sul da Faixa de Gaza, teria queimado mulheres e crianças vivas em um campo de refugiados na mesma região. A denúncia é de entidades dos direitos humanos e autoridades palestinas.

Vídeos chocantes que circulam nas redes sociais mostram pessoas vivas e mortas com queimaduras sendo retiradas de escombros sob chamas. O governo de Israel afirmou que o "alvo é legítimo", admitiu publicamente que pode ter atingido civis e informou investiga o episódio.

Em publicação nas redes sociais, a organização internacional Médicos Sem Fronteiras se disse "horrorizada" com as cenas registradas após o bombardeio israelense em Rafah.

"Estamos horrorizados com este acontecimento mortal que mostra mais uma vez que nenhum lugar é seguro. Continuaremos apelando por um cessar-fogo imediato e sustentado em Gaza".

A ActionAid, organização internacional que atua contra a pobreza no mundo, por sua vez, divulgou um comunicado em que informa ter recebido imagens de corpos de palestinos queimados vivos pelos ataques de Israel. Segundo a entidade, 50 corpos queimados teriam sido retirados do campo de refugiados.

"Estamos indignados e desolados com os recentes ataques em Rafah Ocidental, onde aviões de combate israelenses lançaram oito mísseis contra abrigos improvisados ??que alojavam pessoas deslocadas internamente (PDI), perto de armazéns da UNRWA que armazenavam ajuda vital. Estes abrigos deveriam ser refúgios seguros para civis inocentes, mas tornaram-se alvos de violência brutal. Crianças, mulheres e homens estão sendo queimados vivos sob as suas tendas e abrigos", diz a entidade.