Alberto Fernández chora ao recordar os 10 anos da morte de Néstor Kirchner

Atual presidente se emocionou ao recordar sua amizade com o mandatário para o qual trabalhou como chefe de gabinete durante todo o seu mandato, entre 2003 e 2007. Confira o vídeo.

A Argentina rememorou, nesta terça-feira (27) o aniversário de 10 anos da morte do ex-presidente Néstor Kirchner, com uma série de eventos que contaram com a presença da sua viúva, Cristina Kirchner (também ex-presidenta e atual vice-presidenta e presidenta do Senado), e do atual mandatário do país, Alberto Fernández, que foi chefe de gabinete durante o governo que inaugurou o kirchnerismo.

Um dos eventos, realizado no Centro Cultural Kirchner, em Buenos Aires, foi encabeçado justamente pelo presidente Fernández, que chegou a se emocionar durante seu discurso. “Aprendi muito com Néstor. Ele foi o último chefe político com quem vivi, e marcou um antes e um depois na minha vida. Tenho muito orgulho do que fizemos em seu governo”, declarou.

“Hoje é um dia de uma mistura de tristeza e alegria. Néstor Kirchner era um homem imenso, com um gênio político e com uma capacidade de ver e atender às necessidades do outro como raramente vi em minha vida política”, comentou Fernández, que foi chefe do gabinete de ministros – cargo similar ao chefe da Casa Civil no Brasil – durante todo o mandato de Néstor.

O evento também foi marcado pelo lançamento do livro “Néstor, el hombre que cambió todo”, escrito por Jorge Devoto e lançado pela Editora Planeta.

Fernández terminou seu discurso com uma recordação compartilhada com sua vice-presidenta. “Lembro que Cristina Fernández nos disse que em toda sociedade existe uma disputa de interesses e que o que a política faz é representar os interesses. Néstor nunca teve dúvidas sobre quais interesses deveríamos representar e nos ensinou a não ter dúvidas”, relatou o mandatário argentino.

Avatar de Victor Farinelli

Victor Farinelli

Jornalista formado pela Universidade Católica de Santos, há 15 anos é correspondente na Argentina (2004 e 2005) e no Chile (desde 2006).