Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
05 de fevereiro de 2020, 21h04

Ao estilo Bolsonaro, Trump veta entrada de jornalistas da CNN em almoço

Um dos jornalistas do veículo comparece ao evento regularmente há 20 anos

Foto: Shealah Craighead/ Casa Branca

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, assim como já fez Jair Bolsonaro no Brasil com a Folha de S. Paulo, excluiu jornalistas da CNN do tradicional almoço com a imprensa que ocorre antes do discurso anual do Estado da União. Foi a primeira vez que um veículo específico não foi convidado para o evento, que ocorreu na última terça-feira (4).

A informação de que jornalistas da CNN não seriam convidados para o almoço foi divulgada pelo canal na noite da segunda (3) e não gerou reação por parte dos outros veículos, que compareceram ao encontro. A porta-voz da Casa Branca, Stephanie Grisham, disse à Fox News que ficou “muito irritada” com o vazamento das informações e que isso afetaria a possibilidade de futuras oportunidades com o presidente.

Embora seja um encontro informal, o almoço acontece tradicionalmente há anos para que os jornalistas possam ter uma sensação sobre o clima do discurso do presidente e o que deve ser dito.

Apesar de a CNN já ser, à época, alvo de ataques de Trump, os jornalistas do veículo Anderson Cooper e Wolf Blitzer participaram da reunião em 2019. Blitzer era um dos frequentadores assíduos e mais antigos do evento, e comparecia regularmente há 20 anos.

Mesmo sem estar presente, a CNN noticiou um importante furo do evento. A jornalista Kaitlan Collins foi a responsável por divulgar que o radialista conservador Rush Limbaugh seria homenageado com a Medalha Presidencial de Liberdade, honraria máxima concedida para um cidadão civil.

O discurso

O discurso, que ocorreu na noite de terça-feira (4), foi marcado pelos tradicionais episódios de falta de decoro por parte de Trump. O presidente se recusou a cumprimentar a presidente da Câmara dos Representantes, a democrata Nancy Pelosi.

Trump também marcou a economia como principal ponto da campanha de reeleição, dando destaque aos pontos nos quais pretendia investir. O presidente também chegou a tentar uma aproximação com os grupos de minoria dos Estados Unidos que são céticos ao seu governo, alegando que está construindo a “mais próspera e inclusiva sociedade do mundo”.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum

#tags