Ao The Guardian, Nicolelis diz que Brasil virou ameaça global com mutações mais letais do Coronavírus

Nicolelis diz que o mundo deve se manifestar com veemência sobre os riscos que o governo Bolsonaro representa. “De que adianta resolver a pandemia na Europa ou nos Estados Unidos, se o Brasil continua a ser um terreno fértil para esse vírus?”

Em entrevista ao jornal inglês The Guardian, o neurocientista Miguel Nicolelis – apresentado como “um dos maiores cientistas do país sul-americano”, da Universidade de Duke – que o descaso de Jair Bolsonaro, “o inimigo público global nº 1 da pandemia”, passou a representar um risco mundial, com a possibilidade de desenvolvido de novas mutações ainda mais letais do coronavírus.

Notícias relacionadas

“As políticas que ele não está colocando em prática colocam em risco o combate à pandemia em todo o planeta”, afirmou Nicolelis, que voltou a dizer que o Brasil tornou-se “um laboratório a céu aberto para o vírus se proliferar e eventualmente criar mutações mais letais”, alertou Nicolelis. “Isso é sobre o mundo. É global”, alerta.

O jornal inglês cita que “uma variante particularmente preocupante (P1) já foi rastreada até Manaus, a maior cidade da Amazônia brasileira, que sofreu um colapso de saúde devastador em janeiro após um aumento nas infecções”. “Seis casos dessa variante foram detectados até agora no Reino Unido”, diz a reportagem.

Nicolelis diz que o mundo deve se manifestar com veemência sobre os riscos que o governo Bolsonaro representa para a luta contra a pandemia e afirmou que o Brasil hoje tem o pior cenário na luta contra o coronavírus no mundo.

“De que adianta resolver a pandemia na Europa ou nos Estados Unidos, se o Brasil continua a ser um terreno fértil para esse vírus?”.

Leia a reportagem na íntegra (em inglês)

Avatar de Plinio Teodoro

Plinio Teodoro

Jornalista, editor de Política da Fórum, especialista em comunicação e relações humanas.