quinta-feira, 24 set 2020
Publicidade

Apoiador do golpe na Bolívia, secretário geral da OEA é recebido com gritos de “assassino” em palestra no Paraguai

O secretário geral da OEA, Luis Almagro, foi alvo de uma série de escrachos promovidos por estudantes e movimentos sociais nesta terça-feira (19) ao participar de um debate em uma universidade privada em Assunção, capital do Paraguai. Almagro foi um dos que respaldou o golpe de Estado promovido na Bolívia contra o presidente Evo Morales.

Ao ser anunciado como palestrante de debate na Universidade do Pacífico, um grupo de estudantes se levantou e começou a chamar Almagro de “assassino”, “criminoso” e “violador do direito internacional”. Um dos jovens denunciava que já são 30 mortos em Bolívia desde o golpe de Estado consumado contra Morales.

Segundo dados oficiais, 27 pessoas foram mortas desde as eleições, sendo 24 desde a queda do ex-líder sindical. Movimentos sociais apontam que a cifra é ainda maior e ultrapassa 40 mortos. Apenas na manhã terça, uma ação militar na cidade de El Alto deixou três mortos e 70 feridos.

A autoproclamada presidenta Jeanine Añez, que se alçou ao poder após a derrubada do governo do MAS, tem promovido uma forte repressão contra campesinos e indígenas que tentam resistir aos planos golpistas. Morales denunciou nesta terça-feira (19) que Añez comanda o país como uma ditadura.

Além do escracho sofrido dentro da universidade, Almagro sofreu para conseguir entrar na instituição, sob forte pressão de manifestantes. “Almagro, covarde, deixa de foder, o povo está na rua e não vai retroceder”, cantavam durante protesto na porta do centro de ensino.

Assista ao vídeos mostrando a mobilização contra Almagro:

Redação
Redação
Direto da Redação da Revista Fórum.