Ouça o Fórumcast, o podcast da Fórum
31 de maio de 2019, 18h50

Argentinos fazem sua 5ª greve geral na era Macri; entenda os motivos

Argentina parada: todas as atividades econômicas fecharam as portas e a participação de 100% do setor de transporte potencializou a greve no pior momento do governo direitista. A unidade sindical na ação foi outro destaque do dia

Reprodução/Página 12

Por Mariano Vásquez* / Tradução de Vinicius Sartorato**

Durante a maior parte de seu mandato, o presidente Mauricio Macri conseguiu manter sob controle, através de concessões e promessas, a maior central sindical da Argentina, a CGT.

Entretanto, nesta quarta e quinta-feira (29 e 30), em consonância com o 50º aniversário do Cordobazo, um dos grandes feitos do povo argentino, foi que a 5ª greve geral encontrou todo o arco sindical, os movimentos sociais e  pequenas e médias empresas unidos contra a política econômica macrista.

Em um ano eleitoral e três semanas após o fechamento das listas de candidatos para as prévias partidárias, a incerteza atingiu a aliança do governo, que sequer concordou se Macri deveria ser seu candidato ou não.

“Hoje paramos os trabalhadores em fábricas, hospitais, transportes, em todos os setores trabalhistas. Perdemos o sono ao viver em uma sociedade onde há crianças que estão com fome. Para alguns hoje é a quinta greve, para nós são centenas e centenas de greves e manifestações, quando nos diziam que tinha que dar tempo ao governo”, disse o secretário-geral da CTA-Autônoma, uma central sindical combativa, Ricardo Peidro,  sobre a necessidade de unidade do campo popular “de forma que este governo acabe em outubro”.

A contundência da greve geral dá uma resposta lógica a três anos e meio de uma administração que só beneficiou os setores concentrados da economia, enquanto o povo sofria inflação, desvalorização, desvalorização de aposentadorias, pensões e salários, aumento de impostos e custos da alimentação.

Houve também uma queda histórica (e catastrófica) na atividade industrial: 42% do setor foi fechado e 135.000 empregos foram perdidos. Da mesma forma, a perda salarial real no setor público nacional teve um declínio de 31%. E o número chega a 16% na esfera privada. Aposentadoria e pensões tiveram a mesma retração.

A “pobreza zero e a inflação baixa” foram duas das principais promessas de campanha de Macri em 2015. A realidade mostrou a dimensão do golpe macrista: a pobreza chega a 33%, sobe para 48% para menores de 18 anos e a inflação se acumula 185%, o maior registro em quase três décadas.

Esta greve significou um novo golpe para o governo em face da campanha eleitoral. Na frente sindical, a oposição a Macri parece estar fechada com a chapa de Alberto Fernández – Cristina Férnandez de Kirchner, que hoje lidera todas as pesquisas.

*Mariano Vásquez (@marianovazkez) é um jornalista argentino residente em Buenos Aires. Documentarista, possui experiência em temas políticos internacionais e laborais, tendo trabalhado por muitos anos na TV boliviana e em vários meios argentinos

**Vinicius Sartorato (@vinisartorato) é jornalista e sociólogo. Mestre em Políticas de Trabalho e Globalização pela Universidade de Kassel (Alemanha)


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum