Entrevista exclusiva com Lula
11 de novembro de 2019, 18h03

Bolívia: Movimentos sociais marcham até La Paz contra golpe sob gritos de “guerra civil”

Marchas para a capital do país se intensificam mesmo com a repressão do Exército. Indígenas e cocaleiros denunciam o aspecto racista do golpe e falam em guerra civil para derrubar os golpistas Camacho e Mesa

Foto: Reprodução/Twitter

Os movimentos sociais bolivianos seguem mobilizando uma grande marcha até a capital do país, La Paz, nesta segunda-feira (11). A renúncia de Evo Morales provocada pelas pressões das forças golpistas e as reações racistas promovidas pela extrema direita após a consumação do golpe, gerou uma forte indignação nas camadas populares, que prometem retomar o país. As Forças Armadas, no entanto, já estão nas ruas.

“Agora sim, guerra Civil” é o grito que pode ser escutado em marchas promovidas pelos manifestantes, que partem da cidade de El Alto para La Paz, com o objetivo de impedir a consolidação do golpe comandado pela direita com apoio dos militares.

Muitos dos manifestantes carregavam bandeiras Whipalas, que representam os povos originários latino-americanos e foi tornada a segunda bandeira oficial da Bolívia pela Constituição de 2008, quando o país se tornou um Estado Plurinacional. Nas comemorações da extrema direita, Whipalas foram queimadas, expondo o lado racista do golpe.

“Estamos pedindo como povo altenho que se respeite a nossa Whipala, porque ela representa o sangue Aymara, o sangue Quechua, o sangue Guarani, mas Camacho e Mesa fizeram queimar nossa Whipala. Nós vimos como Camacho chegou até aqui, usa a Bíblia para pisotear o povo Aymara”, disse um líder indígena, respondido com gritos de “Mesa, Camacho, queremos sua cabeça” e “A Whipala se respeita”.

Além dos indígenas, os cocaleiros de Chimoré anunciaram mobilização contra a derrubada do governo. Gritos de “guerra civil” também foram entoados. Chimoré foi a cidade onde o presidente e seu vice, Álvaro Garcia Linera, apresentaram renúncia. Antes de chegar à presidência, Morales era líder sindical cocaleiro.

A repressão da polícia e do exército contra os indígenas tem registrado fortes imagens. Durante as mobilizações violentas da extrema direita, as forças de segurança estavam aquarteladas, permitindo o avanço do intento golpista.

 

Uma nota publicada na tarde desta segunda-feira (11) expõe a mudança de postura das Forças Armadas. “O Alto Mando Militar ordenou que a partir deste momento em todo o território nacional nossas unidades militares executem o Plano “Sebastián Pagador” que tem como finalidade resguardar os serviços públicos essenciais para garantir seu funcionamento, a paz e a estabilidade do nosso país”, diz nota.

Antes da renúncia de Morales, as Forças Armadas da Bolívia afirmaram que não iriam derramar sangue de bolivianos porque o seu dever é proteger nosso povo. A mensagem publicada nesta segunda demonstra ainda mais a adesão dos militares ao golpe comandado por Luis Fernando Camacho e Carlos Mesa.

Notícias relacionadas


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum