Bolsonaro lamenta provável vitória de Pedro Castillo, candidato de esquerda, no Peru: “Perdemos”

Depois de ser um dos últimos a reconhecer a vitória de Biden nos EUA, presidente brasileiro, desta vez, foi mais rápido ao reconhecer a derrota de direitista no país andino

Em discurso durante culto evangélico em Anápolis (GO), na tarde desta quarta-feira (9), o presidente Jair Bolsonaro reconheceu a praticamente inevitável vitória de Pedro Castillo, candidato de esquerda, na eleição presidencial do Peru.

“Perdemos agora o Peru. Voltou, ao que tudo indica, falta 1% de apuração lá, só um milagre para reverter, vai reassumir um cara do Foro de São Paulo. Olha a nova Constituinte do Chile”, disse o presidente, consternado.

De acordo com a contagem oficial, às 16h25 (Horário de Brasília) desta quarta-feira (9), com 99.82% das atas processadas e 98,488% dos votos apurados, Castillo tem 50.192%, enquanto a candidata direitista, Keiko Fujimori, filha do ex-ditador Alberto Fujimori, chega a 49.808%. A vantagem do candidato socialista do Peru Livre é de 67,1 mil votos.

No passado, Bolsonaro chegou a elogiar o ditador Alberto Fujimori, afirmando que ele era “um homem digno” e fazia um “excelente governo”.

Leia também: Pedro Castillo só perde se houver “resultado milagroso” para Keiko Fujimori, diz dirigente sindical peruano

Ao reconhecer a virtual vitória do candidato de esquerda, apenas três dias após o pleito no Peru, Bolsonaro contrasta com a própria postura que teve durante as eleições dos Estados Unidos, no ano passado. Apoiador declarado de Donald Trump, o presidente brasileiro não escondia sua torcida por ele e foi um dos últimos líderes do mundo a reconhecer a vitória de Joe Biden.

Avatar de Ivan Longo

Ivan Longo

Jornalista, editor de Política, desde 2014 na revista Fórum. Formado pela Faculdade Cásper Líbero (SP). Twitter @ivanlongo_

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR