Fórumcast, o podcast da Fórum
31 de outubro de 2017, 15h15

Candidatas a Miss Peru citam dados de violência de gênero ao invés de suas medidas. Vídeo

Nas perguntas e respostas, as candidatas voltaram a debater a violência de gênero e expressar o rechaço pela violação do direito das mulheres

Nas perguntas e respostas, as candidatas voltaram a debater a violência de gênero e expressar o rechaço pela violação do direito das mulheres

Da Redação*

Durante o desfile com roupas de banho, no concurso Miss Peru 2017, as candidatas, ao invés de anunciar suas medidas, diziam no lugar manchetes sobre violência de gênero.

“Minhas medidas são: 2.202 casos de feminicídio reportados nos últimos nove anos no meu país”, destacou Camila Canicoba Llaro, de Lima, ao se apresentar. “Minhas medidas são: 81% dos agressores de meninas menores de cinco anos são próximos da família”, frisou Melody Vegas, candidata por Libertad.

Nas perguntas e respostas, as candidatas voltaram a debater a violência de gênero e expressar o rechaço pela violação do direito das mulheres. Eleita ao fim da festa ganhadora do concurso de 2018, Romina Lozano foi questionada pelos jurados sobre o combate ao assassinato de mulheres e propôs a criação de um banco de dados dos agressores. “Não só de feminicídio, para podermos nos proteger”, explicou a peruana.

A hashtag #MisMedidaSon (Minhas Medidas São, em português) foi uma das mais comentadas do Twitter do Peru na ocasião. Internautas elogiaram a atração e exaltaram a força de denunciar a violência de gênero em um evento tradicional que alcança milhares pelos meios de comunicação. De acordo com o Ministério da Mulher e das Populações Vulneráveis do país, 2016 teve 124 feminicídios e 258 tentativas de assassinato contra mulheres.

*Com informações do Extra

Foto: Reprodução YouTube


Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum