Fórumcast, o podcast da Fórum
12 de agosto de 2019, 08h44

Casal de idosos provoca a própria morte por não poder pagar por assistência médica nos EUA

Os custos para os idosos são mais altos do que os dos cidadãos em idade de trabalhar, segundo o Escritório Nacional de Pesquisa Econômica

Foto: Reprodução

A crise econômica atingiu os Estados Unidos. Um casal de idosos, morador do estado de Washington, morreu por não ter condições de pagar por cuidados médicos.

Eles deixaram várias anotações expressando preocupação de não poder pagar tratamento para os graves problemas médicos da esposa.

Inscreva-se no nosso Canal do YouTube, ative o sininho e passe a assistir ao nosso conteúdo exclusivo.

O marido, de 77 anos, ligou para o 911 pouco antes das 8h30 de quarta-feira (7) e disse que planejava se matar, de acordo com informações do escritório do xerife do condado de Whatcom. O homem afirmou que havia escrito uma nota com informações e instruções.

O funcionário fez contato com o xerife e os policiais chegaram à casa 15 minutos depois. Tentaram contatar os moradores por cerca de uma hora. Usaram uma câmera montada em um robô e viram o casal morto por ferimentos a bala.

O casal foi identificado como Brian S. Jones e Patricia A. Whitney-Jones, 76. O médico do condado de Whatcom, Gary Goldfogel, declarou que Jones atirou em sua esposa na cabeça e depois deu um tiro em si mesmo.

Desespero

“É muito trágico que um de nossos idosos se encontre em circunstâncias tão desesperadas, onde ele achava que assassinato e suicídio eram a única opção”, disse o xerife Bill Elfo.

Os gastos com saúde nos Estados Unidos vêm aumentando há décadas. Os custos para os idosos são mais altos do que os dos cidadãos como um todo, segundo o Escritório Nacional de Pesquisa Econômica.Pessoas com 65 anos ou mais gastaram uma média de US$ 18.424 em assistência médica, cinco vezes o gasto por criança e três vezes o gasto por pessoa em idade de trabalhar.


Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum