Ouça o Fórumcast, o podcast da Fórum
23 de junho de 2019, 18h48

Chapa de Cristina Kirchner abre campanha com destaque para mulheres e inclusão

Primeiro vídeo publicitário de chapa encabeçada por Alberto Fernandez foca diálogo nas mulheres e ressaltando crise econômica vivida no país

 

A chapa Frente de Todos à presidência da Argentina, da qual a ex-presidente Cristina Kirchner é candidata a vice, lançou neste domingo (23) seu primeiro vídeo publicitário, com foco nas mulheres e na inclusão, abordando sobretudo a crise econômica vivida no país, que vem provocando altos índices de desemprego e migração ao exterior.

A campanha à presidência da Argentina começou oficialmente neste sábado, com a entrega das listas de candidatos. A chapa composta por Alberto Fernandez e Cristina Kirchner lidera as intenções de votos, e disputa a presidência com o atual presidente, Mauricio Macri, e o considerado outsider Roberto Lavagna.

Com linguagem diretamente feminina, o vídeo da Frente de Todos divulgado hoje abre com o texto: “Somos as que acordam todos os dias para ir trabalhar, e as que queremos voltar a trabalhar, as que queremos poder nos aposentar”.

A campanha se alinha ao crescimento do movimento feminista na Argentina, que em 2018 conseguiu levar, de modo inédito, ao Senado do país o projeto de legalização do aborto. Pela primeira vez em 7 tentativas, o projeto havia sido aprovado pela Câmara dos Deputados, acompanhada de manifestações massivas a favor da proposta nas ruas da capital Buenos Aires.

Paralelo a isso, a Argentina, como outros países, vem observando nos últimos anos uma forte polarização política em torno do liberal Mauricio Macri e da peronista Cristina Kirchner, que surpreendeu a decidir ser candidata à vice-presidência ao invés de optar a cabeça da chapa.

O país vai às urnas em meio a uma recessão que começou no ano passado e deixa pobreza (32% em 2018), desemprego (10,1% no primeiro trimestre deste ano) e inflação (47,6% em 2018 e acumulada mais de 19% até maio passado).

Milhares de pessoas têm caído na pobreza nos últimos meses diante da dramática combinação de falta de trabalho e inflação, especialmente em produtos básicos como leite, carne e pão, e muitos acabam por apelar aos “comedores de caridade”, comuns no país vizinho.

Somam-se a isso aumentos de até 1.000% nas tarifas de eletricidade, gás, água e transporte, que até 2015 eram subsidiadas.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum