Ouça o Fórumcast, o podcast da Fórum
25 de junho de 2019, 13h15

Chefe do Comando Sul dos EUA visita o Cone Sul, com foco na Venezuela

Almirante estadunidense Craig Faller passará por Argentina e Chile, onde abordará as preocupações militares do seu país, entre as quais também está a influência de Rússia e China na região.

Almirante Craig Faller, chefe do Comando Sul - Foto: Southcom Public Affairs

O chefe do Comando Sul das Forças Armadas dos Estados Unidos, almirante Craig Faller, iniciou neste domingo (23) uma visita de uma semana pelo Cone Sul, na qual passará por Argentina e Chile e reuniões com chefes militares de ambos os países.

Inscreva-se no nosso Canal do YouTube, ative o sininho e passe a assistir ao nosso conteúdo exclusivo

A agenda estadunidense para esta viagem tem como prioridade o tema Venezuela, e a possibilidade de conseguir dois aliados estratégicos para seus próximos planos contra o governo de Nicolás Maduro. “Sei que muitas diferenças nos dividem neste momento, mas temos também algo em comum, que transcende a linguagem, a ideologia e a origem: somos membros de uma profissão especializada, inquebrantável de defensores das nossas nações, e protetores da nossa gente”, comentou Faller.

Contudo, algumas fontes também falam sobre o interesse dos Estados Unidos em analisar a influência da Rússia e da China na região, considerando o atual cenário geopolítico em que esses dois se levantam como possíveis concorrentes norte-americanos na disputa pela hegemonia mundial.

Esta não é a primeira passagem de Faller pela América do Sul: em abril, ele esteve no Equador, onde iniciou um programa de treinamento militar a oficiais desse país, e conversou sobre as alternativas de apoio financeiro para facilitar a compra de material bélico, entre outros objetivos.

Curiosamente, essa visita ocorreu exatamente duas semanas depois da prisão de Julian Assange, ativista que os Estados Unidos pretendem julgar (e condenar) por crime contra o interesse nacional, e que estava asilado na embaixada do até abril passado, quando o presidente equatoriano, Lenín Moreno, decidiu retirar o asilo.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum