CHINA EM FOCO

China reafirma compromisso com abertura de alto padrão

Presidente chinês, Xi Jinping, garantiu que o gigante asiático continuará a promover um ambiente de negócios favorável baseado em princípios de mercado, regido por lei e de acordo com padrões internacionais

Escrito en GLOBAL el

A China reafirmou seu compromisso de continuar a promover um ambiente de negócios favorável baseado em princípios de mercado, regido por lei e de acordo com padrões internacionais. A declaração foi feita pelo presidente chinês, Xi Jinping, durante discurso nesta quarta-feira (18).

Xi gravou um vídeo para celebrar o 70º aniversário do Conselho para a Promoção do Comércio Internacional (CCPIT) e da Cúpula Global de Promoção de Comércio e Investimento da China.

"Gostaria de reiterar que a determinação da China de se abrir em alto padrão não mudará e que a porta da China se abrirá ainda mais para o mundo."
Presidente da República Popular da China, Xi Jinping

A segunda maior economia do mundo buscará implementar o acordo com a Parceria Econômica Abrangente Regional (RCEP, da sigla em inglês para Regional Comprehensive Economic Partnership) e cooperação de alta qualidade do Cinturão e Rota e oferecerá mais oportunidades de mercado, investimento e crescimento para a comunidade empresarial global, afirmou o líder chinês.

A RCEP é um acordo de livre comércio entre a China e mais 14 nações da Ásia-Pacífico: Austrália, Brunei, Camboja, Indonésia, Japão, Coreia do Sul, Laos, Malásia, Mianmar, Nova Zelândia, Filipinas, Cingapura, Tailândia e Vietnã. Esses 15 países membros representam cerca de 30% da população mundial (2,2 bilhões de pessoas) e 30% do PIB global (US$ 29,7 trilhões) e é o maior bloco comercial da história. Assinado em novembro de 2020, o RCEP é o primeiro acordo de livre comércio entre as maiores economias da Ásia.

Apesar dos desafios impostos pela prolongada pandemia de Covid-19, a China alcançou um forte desempenho comercial no primeiro trimestre do ano. O total de importações e exportações de bens aumentou 29,2% ano a ano e atingiu 8,47 trilhões de yuans (cerca de US$ 1,25 trilhão), de acordo com dados da Administração Geral das Alfândegas.

No primeiro trimestre, o comércio da China com os países ao longo do Cinturão e Rota aumentou 21,4% ano a ano, atingindo 2,5 trilhões de yuans (cerca de US$ 370 bilhões). O comércio do país com os outros 14 membros do RCEP totalizou 2,67 trilhões de yuans (cerca de US$ 395 bilhões), um aumento de 22,9% ano a ano e respondendo por 31,5% de suas importações e exportações totais durante o período.

Desde sua criação em 1952, a CCPIT tem desempenhado um papel importante no fortalecimento do vínculo de interesses entre empresas chinesas e estrangeiras, promovendo intercâmbios econômicos e comerciais internacionais e promovendo o desenvolvimento de relações, assinalou Xi.

Xi pede que 'torta' de cooperação seja maior

Ao observar que a globalização econômica tem enfrentado ventos contrários e o mundo entrou em um novo período de volatilidade e transformação, o presidente Xi fez várias propostas.

O líder chinês pontuou a necessidade de esforços conjuntos para derrotar a pandemia. Ele acrescentou que é importante colocar as pessoas e suas vidas em primeiro lugar, engajar ativamente na cooperação internacional em pesquisa e desenvolvimento, produção e distribuição de vacinas e reforçar a governança global da saúde pública.

Xi também enfatizou o apoio chinês ao regime multilateral de comércio centrado na Organização Mundial do Comércio (OMC) para revigorar o comércio e o investimento. Esse multilateralismo, observou, garante a segurança e a estabilidade das cadeias industriais e de suprimentos globais e aumenta o "bolo" da cooperação para permitir que os ganhos do desenvolvimento fluam melhor para pessoas de todos os países.

O presidente chinês também enfatizou os esforços para liberar o poder da inovação na condução do desenvolvimento e pediu a promoção de um ambiente aberto, justo, equitativo e não discriminatório para o desenvolvimento científico e tecnológico.

Ao melhorar a governança global, ele disse que o verdadeiro multilateralismo deve ser mantido.

“Devemos escolher o diálogo em vez do confronto, derrubar muros em vez de erguer muros, buscar a integração em vez de dissociar, optar pela inclusão, não pela exclusão, e orientar as reformas do sistema de governança global com o princípio da equidade e justiça.”
Presidente da República Popular da China, Xi Jinping

Xi Jinping pede que acadêmicos que retornem do exterior contribuam para a autossuficiência científica e tecnológica da China

O presidente chinês, Xi Jinping, encorajou nesta quarta-feira (18) um grupo de jovens acadêmicos que retornam de estudos no exterior a contribuir com os esforços da China para promover a autossuficiência em ciência e tecnologia.

Em uma carta em resposta aos jovens acadêmicos da Universidade de Nanjing, Xi também pediu que eles contribuíssem para aumentar a confiança cultural e realizar o sonho chinês de rejuvenescimento nacional.

Os 120 jovens acadêmicos que ingressaram na Universidade de Nanjing após estudos no exterior escreveram a Xi sobre seu ensino e pesquisa. Manifestaram a determinação de seguir o caminho de gerações de cientistas e contribuir para o desenvolvimento do país.

Este ano marca o 120º aniversário da fundação da Universidade de Nanjing. Um grande número de acadêmicos retornando à China após estudos no exterior seguiram carreira na universidade ao longo dos anos, incluindo o geólogo Li Siguang (1889-1971) e o físico nuclear Cheng Kaijia (1918-2018).

Xi elogiou os comentários dos jovens acadêmicos e estendeu os parabéns e saudações aos funcionários da universidade, estudantes e ex-alunos pelo aniversário.

A China prometeu aumentar a autoconfiança em tecnologia científica e alcançar avanços em tecnologias essenciais, de acordo com seu mais recente plano de desenvolvimento.

China pede aos EUA que parem de usar questões relacionadas ao Tibete para interferir em seus assuntos internos

A China pediu que os Estados Unidos parem de usar questões relacionadas ao Tibete para interferir nos assuntos internos do país.

O pedido foi feito pelo porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Zhao Lijian, nesta quinta-feira (19). Ele fez os comentários em resposta a uma pergunta sobre o coordenador especial dos EUA para questões do Tibete, Uzra Zeya, também subsecretário de Estado do governo estadunidense.

Na quarta-feira (18), Zeya se reuniu com o chefe e representante do "governo tibetano em exílio" na Índia, um grupo político totalmente separatista e uma organização ilegal que viola completamente a Constituição e as leis da China, observou Zhao. Ele acrescentou que "não é reconhecido por nenhum país do mundo."

Zhao disse que o 14º Dalai Lama não é uma figura puramente religiosa, mas um exilado político que há muito se envolve em atividades separatistas e tentou separar o Tibete da China. O porta-voz também apontou que o estabelecimento do "Coordenador Especial para Assuntos do Tibete" pelos EUA é uma interferência nos assuntos internos da China.

Os assuntos do Tibete são assuntos puramente internos da China, que não tolera interferência de quaisquer forças externas, enfatizou Zhao. Ele pediu que os EUA adotem ações concretas para honrar seu compromisso de reconhecer o Tibete como parte da China e não apoiar a "independência tibetana".

A China continuará a tomar todas as medidas necessárias para salvaguardar resolutamente sua soberania, segurança e interesses de desenvolvimento, finalizou.

China planeja primeira busca de planeta habitável próximo do mundo via telescópio espacial

Cientistas chineses propuseram um projeto espacial para pesquisar o céu através de um telescópio espacial para caçar planetas habitáveis semelhantes à Terra fora do nosso sistema solar, a cerca de 32 anos-luz da Terra.

O projeto, chamado Closeby Habitable Exoplanet Survey (CHES), se realizado, será a primeira missão espacial especialmente projetada para procurar planetas terrestres habitáveis em torno de estrelas semelhantes ao Sol próximas.

Por que o CHES é importante?

A exploração de planetas habitáveis ??fora do sistema solar é uma das principais fronteiras da pesquisa fundamental em astronomia. O CHES oferecerá pistas cruciais para questões como "Estamos sozinhos no universo?" e "Como os planetas podem se tornar o berço da vida?", de acordo com Ji Jianghui, professor pesquisador do Observatório da Montanha Roxa da Academia Chinesa de Ciências, que é o principal investigador da missão CHES.

Ji disse que mais de cinco mil exoplanetas foram descobertos e confirmados até agora, incluindo cerca de 50 planetas semelhantes à Terra na zona habitável, mas a maioria deles está a centenas de anos-luz de distância da Terra.

“A descoberta dos mundos habitáveis ??próximos será um grande avanço para a humanidade e também ajudará os humanos a visitar esses gêmeos da Terra e expandir nosso espaço de vida no futuro”, acrescentou Ji.

Como vai funcionar o CHES?

O CHES observará cerca de 100 estrelas semelhantes ao Sol a 32 anos-luz de distância em uma pesquisa de longo prazo e, esperançosamente, descobrirá cerca de 50 planetas semelhantes à Terra ou super-Terras, planetas que têm cerca de 10 vezes a massa da Terra. em zonas habitáveis ??em torno de estrelas próximas semelhantes ao Sol, especialmente planetas que têm semelhanças em tamanho, órbita e habitabilidade com a Terra.

Além de detectar planetas habitáveis, a missão CHES também contribuirá para pesquisas científicas de ponta, como matéria escura e buracos negros.