CHINA EM FOCO

China responde a ameaças dos EUA sobre uso de força em defesa da Taiwan

Ministério das Relações Exteriores chinês rebateu declaração de Joe Biden de possibilidade de intervenção militar na região

Escrito en GLOBAL el

Ninguém deve subestimar a "firme determinação, vontade firme e forte capacidade" da China de salvaguardar sua soberania e integridade territorial. A declaração foi feita nesta segunda-feira (23) pelo porta-voz do Ministério das Relações Exteriores chinês, Wang Wenbin.

Wang reagiu à fala do presidente Joe Biden, que nesta segunda-feira, em Tóquio (Japão), afirmou que os Estados Unidos vão intervir militarmente se a China tentar tomar Taiwan à força

A China expressa forte insatisfação e firme oposição às declarações de Biden, disse Wang. Ele enfatizou que a região de Taiwan é uma parte inalienável do território chinês.

O porta-voz reiterou ainda que a questão de Taiwan é puramente interna da China, que não permite interferência estrangeira.

"Em questões relacionadas à soberania da China, integridade territorial e outros interesses centrais, ninguém deve esperar que a China faça qualquer compromisso ou troca", disse Wang. Ele alertou os EUA para não ficarem do lado oposto do povo chinês de 1,4 bilhão de pessoas

Wang também instou os EUA a cumprirem o princípio de Uma Só China e as estipulações de comunicados conjuntos. Pediu ainda que Washington honre o compromisso de não apoiar a "independência de Taiwan" e seja prudente com suas palavras e ações sobre a questão de Taiwan.

Os EUA devem evitar enviar sinais errados às forças separatistas da "independência de Taiwan", para que não prejudique seriamente as relações entre China-EUA e a paz e estabilidade no Estreito, disse Wang. 

Logo após a fala de Biden, a Casa Branca rapidamente minimizou os comentários e afirmou que a declaração não reflete uma mudança na política dos EUA. É a terceira vez nos últimos meses que Biden disse que os EUA protegeriam Taiwan de um ataque chinês, apenas para que a Casa Branca recuasse essas observações.

Para China, 'Estratégia Indo-Pacífico' dos EUA está fadada ao fracasso

A chamada "Estratégia Indo-Pacífico" dos Estados Unidos (EUA) está fadada ao fracasso. A avaliação foi feita pelo conselheiro de Estado chinês e ministro das Relações Exteriores, Wang Yi, neste domingo (22).

A declaração do chanceler chinês ocorre em meio à primeira viagem de Joe Biden como presidente dos EUA à Ásia. A visita visa unir aliados e parceiros para combater a crescente influência da China. Também ocorreu um dia antes de Biden participar da segunda cúpula presencial do Diálogo de Segurança Quadrilátero (Quad) – um grupo informal entre EUA, Japão, Austrália e Índia que alarmou Pequim.

"A 'Estratégia Indo-Pacífico' dos EUA está causando cada vez mais vigilância e preocupação na comunidade internacional, especialmente na região da Ásia-Pacífico", disse Wang ao ser questionado sobre a iniciativa estadunidense para conter a China.

O ministro comentou que a chamada estratégia desistiu de sua intenção. Ele apontou que além de tentar apagar o nome "Ásia-Pacífico" e a efetiva arquitetura de cooperação regional na região, também tenta apagar as conquistas e o impulso do desenvolvimento pacífico criado pelos esforços conjuntos dos países da região nas últimas décadas.

Wang fez o comentário ao se encontrar com a imprensa após conversar com o ministro das Relações Exteriores do Paquistão, Bilawal Bhutto Zardari, na cidade de Guangzhou, no sul da China.

Banco central da China realiza recompras reversas para aumentar a liquidez

O banco central da China realizou nesta segunda-feira (23) 10 bilhões de yuans (cerca de 1,5 bilhão de dólares americanos) de recompras reversas para manter a liquidez no sistema bancário.

Uma recompra reversa é um processo no qual o banco central compra títulos de bancos comerciais por meio de licitação, com um acordo para vendê-los de volta no futuro.

A taxa de juros para as recompras reversas de sete dias foi fixada em 2,1%, de acordo com o Banco Popular da China.

A medida visa manter a liquidez no sistema bancário razoavelmente estável, disse o banco central.

Políticas em vigor para ajudar a sustentar o mercado imobiliário estável da China

A China tem implementado políticas para reforçar a demanda racional de compra de casas, em um esforço para ajudar o mercado imobiliário a manter uma posição sólida contra os ventos contrários.

Diante da demanda em declínio, o país asiático implementou ativamente medidas de apoio para aumentar o sentimento do comprador e, ao mesmo tempo, promover o desenvolvimento sólido do setor.

Um exemplo é o recente anúncio de uma redução das taxas de juros de empréstimos hipotecários para alguns compradores de casas. De acordo com uma circular divulgada em conjunto pelo Banco Popular da China (PBOC) e pela Comissão Reguladora de Bancos e Seguros da China, os bancos comerciais podem reduzir o limite inferior das taxas de juros de empréstimos à habitação em 20 pontos base para compradores de primeira casa, com base no prazo da taxa básica de empréstimo de referência.

A formulação de políticas diferenciadas também enviou um sinal claro de que o apoio da China ao mercado imobiliário está condicionado à postura de que "a moradia é para morar, não para especular".

Dados divulgados pelo Departamento Nacional de Estatísticas (NBS) mostram que o mercado imobiliário da China continuou a diminuir em abril. Nesse período, mais cidades relatam declínio nos preços das moradias ou registram um crescimento mais lento.

Os dados mostraram que 39 das 70 principais cidades chinesas registraram um declínio mensal, 10 a mais do que o registrado em março, embora os preços de novas casas em quatro cidades de primeira linha tenham subido 0,2% mês a mês em abril.

Um total de 31 cidades de segundo nível tiveram um declínio mensal de 0,1% nos preços de novas residências, enquanto 35 cidades de terceiro nível tiveram um declínio mensal de 0,6%.

O mercado imobiliário da China começou a esfriar em março, afetado por fatores como o ressurgimento do surto de Covid-19, queda esperada na renda pessoal e atividades de vendas ociosas.

Antes do corte nacional, muitos bancos já haviam lançado juros preferenciais de empréstimos hipotecários para estimular a demanda. Bancos em mais de 100 cidades reduziram as taxas de juros de empréstimos hipotecários em 20 pontos-base para 60 pontos-base.

Os governos locais também anunciaram medidas para impulsionar o setor. Cerca de 120 cidades em todo o país introduziram vários ajustes de política nos primeiros quatro meses deste ano.

Cidades como Zhengzhou e Fuzhou divulgaram incentivos, incluindo a redução da proporção de entrada, fornecendo apoio por meio de empréstimos de fundos de previdência e cortando as taxas de juros de empréstimos hipotecários para aliviar a tensão do mercado imobiliário.

Com o aumento da disponibilidade de moradias e procedimentos simplificados para aprovação de hipotecas, a demanda do consumidor por moradia será desencadeada em algumas cidades, avalia Fu Linghui, funcionário do NBS.

Chen Wenjing, vice-diretor de pesquisa da China Index Academy, uma instituição de pesquisa imobiliária, disse que as medidas adotadas nas cidades de Suzhou e Guangzhou reviveram o sentimento de compra.

Chen espera que mais governos locais criem novas medidas para reduzir o custo da compra racional de casas e criar condições favoráveis para aumentar a demanda.

Cargas e contêineres da China aumentam nos primeiros quatro meses

Os portos da China tiveram uma ligeira expansão no volume de carga nos primeiros quatro meses do ano, apesar das interrupções da Covid-19, mostraram dados oficiais.

A movimentação de carga nos portos do país se aproximou de 4,91 bilhões de toneladas no período, aumentando 0,2% ano a ano, segundo o Ministério dos Transportes.

Durante o período de janeiro a abril, o volume de movimentação de contêineres nos portos da China aumentou 1,7% em relação ao ano anterior, para 91,04 milhões de unidades equivalentes a vinte pés (TEUs), apontaram os dados.

Somente em abril, os portos da China movimentaram mais de 1,27 bilhão de toneladas de carga, enquanto a movimentação de contêineres ficou em 23,66 milhões de TEUs, segundo o ministério.

Digitalização aumenta eficiência logística em meio à pandemia

Diante de vários desafios, incluindo a pandemia da Covid-19, o setor de logística da China tem adotado tecnologias digitais para aumentar a eficiência.

Os esforços estão alinhados com o apelo do governo central para apoiar a construção de plataformas digitais de entrega de logística de terceiros e cultivar um lote de plataformas digitais e empresas da cadeia de suprimentos com influência global.

Em abril, o Comitê Central do Partido Comunista da China e o Conselho de Estado divulgaram conjuntamente uma diretriz sobre a aceleração do estabelecimento de um mercado doméstico unificado. A China otimizará o layout da infraestrutura de circulação comercial e comercial e promoverá a integração do desenvolvimento online e offline .

A Full Truck Alliance Co Ltd, uma empresa chinesa líder de transporte rodoviário, por exemplo, tem intensificado o esforço para alavancar tecnologias digitais para ajudar a aumentar a eficiência logística nas regiões afetadas pela pandemia.

Os aplicativos da empresa conectam um grande número de caminhoneiros com comerciantes para agilizar o envio de mercadorias, além de auxiliar na localização rápida dos produtos e reduzir as taxas de carga vazia e o consumo de combustível.

Em razão da pandemia, há também dificuldade de transportar produtos agrícolas de algumas regiões rurais para as cidades. Os aplicativos da empresa oferecem ajuda logística direcionada a 160 municípios em todo o país e ajudam os moradores rurais que precisam transportar seus produtos agrícolas.

Há também a necessidade de fortalecer a capacidade de resposta de emergência dos serviços de entrega expressa. Durante emergências como a pandemia de Covid-19, a entrega urgente de produtos é de primordial importância não apenas para fornecer alívio oportuno aos necessitados, mas também para restaurar a ordem social.

China lança novo banco de dados sobre biodiversidade

A China lançou um banco de dados nacional de espécies atualizado, a Lista de Verificação Anual do Catálogo da Vida China 2022. O lançamento foi feito pela Academia Chinesa de Ciências (CAS) neste domingo (22).

A lista de verificação deste ano adicionou 10.343 espécies em comparação com a lista de 2021 e elevou o número total de espécies para 138.293. A nova relação incluiu 68.172 espécies de animais, 46.725 espécies de plantas e 17.173 espécies de fungos, entre outras.

A lista de verificação de espécies fornece uma base de dados utilizada para pesquisa de biodiversidade, conservação e formulação de políticas. A China é o único país que publica a lista de verificação de espécies biológicas todos os anos.

A Lista de Verificação Anual do Catálogo da Vida China 2022 foi compilada em conjunto por pesquisadores do Instituto de Zoologia, Instituto de Botânica, Instituto de Microbiologia, Instituto de Biologia de Chengdu e Instituto de Oceanologia sob a coordenação da CAS, além de outras instituições.

Xangai retoma parcialmente o transporte público entre distritos

Xangai, o centro financeiro da China, retomou parcialmente seu transporte público entre distritos neste domingo (22), como parte dos esforços da cidade para restaurar o sistema de transporte público passo a passo.

Quatro linhas principais de metrô – números 3, 6, 10 e 16 – retomaram os serviços no domingo, com trens funcionando das 7h às 20h. e em intervalos de 20 minutos.

Um total de 273 linhas de ônibus também retomaram os serviços, abrangendo aeroportos, estações ferroviárias e grandes hospitais da cidade.

Os passageiros estão autorizados a usar o sistema de transporte público apenas quando tiverem certificados de resultado negativo para teste de ácido nucleico realizado dentro de 48 horas. Eles são obrigados a usar máscaras durante suas viagens.

China vai criar universo cinematográfico de heróis

Durante a 75ª edição do Festival de Cinema de Cannes, na França, o estúdio chinês Wishart anunciou o lançamento de um filme baseado em um romance clássico de wuxia, um gênero de ficção chinesa sobre as aventuras de artistas marciais na China antiga.

Chamado de "Sakra", o filme é uma nova adaptação de "Semi-Gods and Semi-Devils", um romance wuxia extremamente popular escrito pelo romancista chinês Louis Cha, também conhecido como Jin Yong, em 1963. O longa será produzido e estrelado pelo megastar de ação Donnie Yen. 

O romance "Semideuses e Semidemônios", também conhecido como "Oito Livros do Dragão Celestial" em chinês, desenha personagens principais das oito raças de semideuses e semidiabos descritos na cosmologia budista da Índia.

A história do filme se concentrará no herói das artes marciais Qiao Feng, líder do clã dos mendigos, uma das figuras centrais da obra e que representa um verdadeiro herói chinês. 

Inspirado no Universo Marvel

Um dos problemas com a adaptação de wuxia é que o gênero apresenta muitos romances e heróis fictícios, mas carece de um universo unificado. A ambição de Yen, produtor do filme, é construir um universo wuxia chinês, usando a história de Qiao Feng como uma franquia para promover o espírito desse gênero de ficção. 

No futuro, o personagem também pode conhecer outros heróis wuxia clássicos do universo, assim como "Os Vingadores" no Universo Cinematográfico da Marvel.

Ainda não há informações sobre quando o filme será lançado ou quais outros atores se juntarão ao elenco. A distribuição internacional de "Sakra" está sendo feita pela Plus Entertainment Limited.

Como uma das obras de ficção de artes marciais mais vendidas de todos os tempos, a história foi repetidamente adaptada com sucesso para filmes e séries de TV ao longo das quase seis décadas desde sua criação. A mais recente adaptação cinematográfica foi "Dragon Chronicles: The Maidens of Heavenly Mountain", de Andy Chin, em 1994, estrelado por Brigitte Lin e Gong Li, enquanto a última adaptação da série de TV foi lançada em 2003 e estrelada por Hu Jun, Jimmy Lin e Liu Yifei.