CHINA EM FOCO

Xi Jinping se reúne com Bachelet e defende filosofia chinesa para os direitos humanos

Presidente chinês teve encontro virtual com a alta comissária da ONU para direitos humanos, Michelle Bachelet, nesta quarta-feira (25)

Escrito en GLOBAL el

A sensação de ganho, felicidade e segurança das pessoas é o critério mais importante para testar a situação dos direitos humanos de um país. Essa é a visão do presidente chinês, Xi Jinping, que fez a declaração nesta quarta-feira (25) durante reunião virtual com a Alta Comissária das Nações Unidas (ONU) para os Direitos Humanos, Michelle Bachelet.

Xi enfatizou que a China desbravou com sucesso um caminho de desenvolvimento dos direitos humanos que está de acordo com a tendência dos tempos e se adapta às suas condições nacionais. Ele afirmou que os direitos humanos do povo chinês foram protegidos como nunca antes.

"Para promover conjuntamente a causa internacional dos direitos humanos e trazer benefícios para as pessoas de todos os países, a China está pronta para se engajar ativamente no diálogo e na cooperação sobre direitos humanos com outras partes, com base na igualdade e no respeito mútuo, para expandir o consenso e reduzir as diferenças."
Presidente da República Popular da China, Xi Jinping

Prioridades no desenvolvimento dos direitos humanos

Para o líder chinês, o maior direito humano é lutar para permitir que as pessoas vivam uma vida feliz. Ele pediu esforços para adotar uma filosofia de direitos humanos centrada nas pessoas. "Os interesses das pessoas são onde começa e termina a causa dos direitos humanos", sublinhou.

As pessoas devem ser os verdadeiros donos do seu país e tornar-se os principais participantes, promotores e beneficiários do desenvolvimento dos direitos humanos, afirmou Xi. Ele observou que os países diferem uns dos outros em história, cultura, sistema social e nível de desenvolvimento econômico e social e que devem promover e proteger os direitos humanos à luz de suas realidades nacionais e das necessidades de seus povos.

O presidente da China avaliou que todos os aspectos dos direitos humanos devem ser avançados de maneira abrangente e sistemática. Para os países em desenvolvimento, os direitos à subsistência e ao desenvolvimento são os direitos humanos primários, acrescentou. Ele também enfatizou que a governança global dos direitos humanos deve ser avançada.

Os países não devem politizar e instrumentalizar os assuntos de direitos humanos, praticar dois pesos e duas medidas ou interferir nos assuntos internos de outros países sob o pretexto dos direitos humanos, comentou. Ele disse ainda que a China continuará a apoiar os esforços ativos das Nações Unidas na promoção dos direitos humanos internacionais.

Esforços conjuntos na causa global dos direitos humanos

Bachelet comentou que o gabinete da alta comissária está pronto para fortalecer a comunicação com a China, explorar a cooperação e fazer esforços conjuntos para promover o progresso global dos direitos humanos.

"Esta é a primeira visita do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos à China em 17 anos, e dou grande importância e aprecio esta visita", disse ela.

Ela disse que admira os esforços e conquistas da China na erradicação da pobreza, proteção dos direitos humanos e desenvolvimento econômico e social e apreciou o importante papel do país na defesa do multilateralismo, abordando as mudanças climáticas e outros desafios globais e promovendo o desenvolvimento sustentável global.

Exército chinês faz exercício militar perto de Taiwan em resposta à interferência dos EUA

O Exército de Libertação Popular (ELP), a força militar da China, realizou uma patrulha combinada de prontidão para o combate nas águas e no espaço aéreo ao redor da ilha de Taiwan nesta quarta-feira (25). 

O exercício serve de alerta contra o recente apoio dos Estados Unidos (EUA) às forças da "independência de Taiwan", comentou o porta-voz do ELP, coronel sênior Shi Yi.  "Taiwan faz parte da China, e o Comando do Teatro Oriental do ELP está determinado a salvaguardar a soberania nacional e a paz e estabilidade regional", alertou o militar.

Agências espaciais do Brics iniciam compartilhamento de satélites e dados

Os países do Brics - Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul - lançaram nesta quarta-feira (25) um comitê de cooperação para compartilhar satélites e dados de sensoriamento remoto.

Os dados compartilhados ajudarão os países a proteger melhor o meio ambiente, reduzir os riscos de desastres e lidar com as mudanças climáticas. A reunião também aprovou normas técnicas de compartilhamento de dados e os procedimentos para cooperação de observação.

As cinco agências espaciais assinaram um acordo de cooperação no compartilhamento de dados de satélite de sensoriamento remoto em agosto de 2021.

Hong Kong vai celebrar 25º aniversário do retorno à China

A Região Administrativa Especial de Hong Kong (RAEHK) vai celebrar o 25º aniversário de retorno à China. O anúncio das festividades foi anunciado pela chefe do Executivo da região, Carrie Lam, nesta terça-feira (24).

Carrie comentou que as celebrações do retorno de Hong Kong à China serão retomadas diante da tendência de queda da pandemia de Covid-19 na região. 

A chefe do Executivo informou à imprensa que o Departamento de Serviços de Lazer e Cultura do governo da RAEHK sediará uma variedade de programas culturais, artísticos, recreativos e esportivos para celebrar o 25º aniversário do retorno de Hong Kong à China no dia 1o de julho. 

Nesta terça-feira, Hong Kong registrou 89 novos casos de Covid-19 por testes de ácido nucleico e 161 casos adicionais por meio de testes rápidos de antígenos autorrelatados.

Data Expo 2022 da China terá como tema central big data

A Data Expo 2022 da China será realizada em formato digital nesta quinta-feira (26) na cidade de Guiyang, na província de Guizhou, no sudoeste do país. A oitava edição do evento anual será o primeiro dedicado ao big data no mundo. 

O foco da Exposição Internacional da Indústria de Big Data da China será expor a experiência chinesa com crescimento e valor digital e exibir conquistas de vanguarda do gigante asiático com desenvolvimento global de big data e seu papel no impulsionamento da economia digital global.

Criada em 2015, a feira oferece oportunidades de cooperação, lidera o desenvolvimento da indústria e fornece uma plataforma para compartilhar novas conquistas e discutir planos futuros.

A edição de 2021 da Data Expo promoveu 98 eventos, atraiu 95 mil pessoas de 23 países e regiões e contou com a participação de 225 expositores offline e 324 online. A área de exposição de 40 mil metros quadrados apresentou mais de 800 novos produtos, tecnologias e soluções. Nos últimos sete anos, o evento atraiu milhares de empresas e dezenas de milhares de indústrias de elite de mais de 100 países.

A Comissão Nacional de Desenvolvimento e Reforma e o Ministério da Indústria e Tecnologia da Informação da China co-patrocinam o evento. 

Pesquisadores começam a produzir 12 mil sementes espaciais 

Pesquisadores chineses iniciaram experimentos de reprodução em 12 mil sementes – incluindo alfafa, aveia e fungos – que foram criadas dentro da nave tripulada Shenzhou-13 no espaço por seis meses e trazidas de volta à Terra em 16 de abril.

As sementes foram selecionadas por várias instituições de pesquisa no ano passado. A reprodução espacial refere-se ao processo de expor sementes à radiação cósmica e à microgravidade durante uma missão de voo espacial para mutar genes de sementes e depois enviá-las de volta à Terra para gerar novas espécies.