CHINA EM FOCO

Xangai lança pacote de medidas para recuperar economia após surto de Covid-19

Centro financeiro da China está reabrindo depois do mais recente surto do coronavírus que paralisou a megacidade por cerca de dois meses

Escrito en GLOBAL el

Para coordenar o controle da Covid-19 com o desenvolvimento econômico, o governo municipal de Xangai lançou neste domingo (29) um plano de ação para acelerar a recuperação econômica.

O pacote inclui 50 medidas que abrangem oito setores, principalmente para reduzir a pressão sobre os negócios, apoiar e manter a ordem de reabertura, estabilizar o comércio e o investimento, além de incentivar o consumo.

O plano de ação inclui promessas de maior alívio financeiro para as indústrias atingidas pela Covid-19 por meio de mais cortes de impostos e reduções de taxas, incluindo a extensão do alívio do aluguel, além da concessão de subsídios e facilidades de logística.

Uma série de medidas vai impulsionar o consumo especialmente de carros e eletrodomésticos, e inclui subsídios, descontos e cortes de impostos.

Xangai está voltando a reabrir depois que o mais recente ressurgimento das infecções por Covid-19 paralisou a megacidade de 25 milhões de habitantes por cerca de dois meses.

De 1º de junho a meados de junho, Xangai restaurará totalmente a ordem normal de produção e vida em toda a cidade com medidas rotineiras de prevenção e controle do Covid-19, evitando estritamente qualquer ressurgimento do coronavírus.

China aproveita políticas direcionadas para impulsionar mercado imobiliário

A China implementou medidas voltadas ao mercado de compra residencial para impulsionar o desenvolvimento do mercado imobiliário. Entre as ações estão o relaxamento de restrições de compras ou vendas, ajuste de políticas de previdência habitacional e redução das taxas de juros de hipotecas 

Atingido por fatores como a Covid-19, o mercado imobiliário da China sofreu contrações este ano e houve uma queda na renda pessoal e riscos de inadimplência de certas incorporadoras. Nos primeiros quatro meses do ano, as vendas de habitação comercial caíram 20,9%em termos de área útil e 29,5% em valor.

A indústria imobiliária da China, com um tamanho de 10 trilhões de yuans (cerca de 1,48 trilhão de dólares americanos), envolve dezenas de subsetores em toda a cadeia de suprimentos. Dados oficiais mostraram que a produção de valor agregado do setor representou 6,8% do produto interno bruto do país em 2021.

Durante reunião executiva do Conselho de Estado da China na última segunda-feira (23), foram anunciadas políticas específicas para as cidades que visam atender às necessidades básicas de moradia das pessoas, além do desejo de melhorar as condições de moradia.

Em 25 de maio, 20 cidades chinesas relaxaram as restrições à venda de casas, mostraram dados da China Index Academy. Algumas cidades começaram a permitir que famílias com mais de um filho comprassem uma casa adicional sob as restrições atuais ou ficassem isentas das restrições, como parte dos esforços para aliviar o déficit habitacional para eles e injetar vitalidade no mercado imobiliário.

Pelo menos 70 cidades chinesas lançaram quase 100 políticas de ajuste de fundos de previdência habitacional este ano. O foco dessas medidas é aumentar a cota e reduzir a proporção de adiantamento de empréstimos de fundos de previdência, aponta a China Index Academy.

As autoridades financeiras do país enviaram sinais claros recentemente para apoiar o crescimento do crédito imobiliário. Uma circular divulgada conjuntamente pelo Banco Popular da China e pela Comissão Reguladora de Bancos e Seguros da China em 15 de maio permitiu que os bancos comerciais reduzissem o limite inferior das taxas de juros dos empréstimos à habitação em 20 pontos base para compradores da primeira casa, com base no prazo de referência taxa básica de empréstimo (LPR).

Em 20 de maio, a China anunciou que cortaria o LPR de mais de cinco anos, no qual muitos credores baseiam suas taxas de hipoteca, em 15 pontos base, para 4,45%, o que também ajudará o mercado imobiliário a sustentar um desenvolvimento estável e estimular a demanda geral.

Projeto de megadados reforça a infraestrutura digital da China

Enquanto a China aproveita a onda da digitalização e busca explorar todo o potencial da indústria de big data, um megaprojeto que aborda a crescente demanda por poder de computação está tomando forma.

Em fevereiro, o país asiático começou a trabalhar no projeto para construir um sistema nacional integrado de big data envolvendo o estabelecimento de oito hubs nacionais de computação e 10 clusters nacionais de data centers.

Apelidado de "Dados do leste, computação do oeste", o projeto é uma parte fundamental da infraestrutura digital da China e foi projetado para que regiões do interior menos desenvolvidas armazenem e processem dados transmitidos de áreas do leste economicamente avançadas. 

As estatísticas mostram que desde o início deste ano, 25 novos projetos foram lançados em 10 clusters nacionais de data centers na China, com poder de computação combinado equivalente a aproximadamente 27 milhões de computadores pessoais.

Esses novos projetos atraíram um investimento total de mais de 190 bilhões de yuans (cerca de 28,2 bilhões de dólares americanos). O investimento nas regiões ocidentais da China aumentou seis vezes em relação ao mesmo período do ano passado.

China registra superávit no comércio internacional de mercadorias

A China registrou um superávit em seu comércio internacional de mercadorias em abril, mostraram dados da Administração Estatal de Câmbio divulgados nesta sexta-feira (27).

As exportações de mercadorias chegaram a 1,6666 trilhão de yuans (cerca de US$ 247,3 bilhões) no mês passado e as importações a 1,3568 trilhão de yuans, resultando em um superávit de 309,9 bilhões de yuans.

Em abril, a China registrou um déficit de 42,9 bilhões de yuans no comércio internacional de serviços.

As importações e exportações totais de bens e serviços internacionais chegaram a 3,4427 trilhões de yuans, basicamente inalteradas em relação a abril do ano passado.

Transações no mercado monetário interbancário da China aumentam em abril

As transações no mercado monetário interbancário da China subiram 20,6% ano a ano em abril, para 115,2 trilhões de yuans (US$ 17,1 trilhões), mostram dados do Banco Popular da China.

Em um detalhamento, as recompras prometidas registraram 103,8 trilhões de iuanes em transações no mês passado, um aumento de 22,1% ano a ano, e as transações compromissadas ultrapassaram 392 bilhões de yuans, aumentando 17,2% ano a ano, segundo o banco central.

O volume de transações de empréstimos interbancários chegou a 10,9 trilhões de yuans, um aumento de 7,8% ano a ano.

Em abril, a taxa de juros média ponderada mensal para empréstimos interbancários foi de 1,62%, uma queda de 45 pontos base em relação ao mês anterior, mostram os dados.

Xi pede avanço no estudo da civilização chinesa

"A civilização chinesa é extensa e profunda, e tem uma longa história que remonta à antiguidade", afirmou o presidente da China, Xi Jinping, na tarde de sexta-feira (27). Ele discursou durante uma sessão de estudo em grupo do Birô Político do Comitê Central do Partido Comunista da China (PCCh) sobre um programa nacional de pesquisa dedicado a rastrear a origem da civilização chinesa.

Em sua fala, o líder enfatizou que a identidade cultural da nação chinesa é a base da cultura contemporânea, o vínculo cultural que mantém todos os chineses ao redor do mundo juntos e é o tesouro que inspira a inovação cultural. 

Xi pediu esforços para avançar no estudo da civilização chinesa para aumentar a confiança das pessoas na cultura do país.

"Devemos obter um conhecimento aprofundado do desenvolvimento da civilização chinesa ao longo de mais de cinco mil anos e ampliar a pesquisa em sua história, para que todos os membros do Partido e da sociedade em geral desenvolvam uma consciência mais aguçada de nossa história, construam confiança cultural, adiram ao caminho do socialismo com características chinesas, e trabalhar juntos para construir um país socialista moderno em todos os aspectos e realizar o rejuvenescimento da nação chinesa."
Presidente da República Popular da China, Xi Jinping 

Curta-metragem chinês é premiado no Festival de Cannes

O curta-metragem chinês 'The Water Murmurs' ("Os Murmúrios da Água", em tradução livre), da diretora Chen Jianying, ganhou o prêmio de melhor curta-metragem no Festival de Cinema de Cannes neste sábado (28).

O filme é estrelado por Annabel Yao, filha mais nova do fundador e CEO da gigante chinesa de alta tecnologia Huawei, Ren Zhengfei é a estreia dela como atriz.

O curta foi filmado na cidade de Yibin, província de Sichuan, e segue uma mulher que precisa deixar a cidade natal porque ela será destruída devido às marés crescentes causadas por um meteorito que atinge a Terra. Ainda assim, acha difícil dizer adeus à cidade litorânea em que cresceu e começa a pensar em outras possibilidades alternativas na vida.

Fabled Records apresentará artistas eletrônicos chineses globalmente

A música eletrônica floresceu na China na última década e fabricou fenômenos como Chace, Beauz e Carta. Artistas como eles terão agora uma plataforma global para distribuição e divulgação. 

A Live Nation, pioneira em entretenimento ao vivo, anunciou nesta sexta-feira (27) a celebração de um contrato com a divisão asiática de música eletrônica, a Live Nation Electronic Asia (LNEA), que passa a atuar em parceria com a gravadora especializada em música eletrônica Astralwerks e a Capitol Records China (CRC), ambas divisões do Universal Music Group (UMG), empresa líder mundial em entretenimento musical. 

O acordo prevê licenciamento e distribuição global para o recém-lançado selo Fabled Records, que atende jovens artistas chineses de música eletrônica como os três fenômenos.

Lançamentos musicais recentes da Fabled Records incluem os dois primeiros singles do álbum de Chace “Belated Suffocation” – “46 Step” e “Cinematic”, além dos singles colaborativos de Beauz com a rapper feminina NINEONE # – “Treat Me Like” e “Rave Game”. A gravadora também lançou o primeiro single chinês completo de Carta, “Lonely Addiction”, com Elieen Yo e Ika Zhou.