CHINA EM FOCO

Para China, a discriminação racial doméstica nos EUA reflete a injustiça global do país mundo afora

Ministério das Relações Exteriores chinês comentou assassinato de afro-americado por policiais em Ohio, que dispararam mais de 60 tiros contra a vítima; episódio gerou protestos em massa pelo país

Escrito en GLOBAL el

A grave discriminação e injustiça racial nos Estados Unidos são reflexos da discriminação e injustiça que o país promove em todo o mundo. O comentário foi feito pelo porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Zhao Lijian, nesta terça-feira (5), em resposta a um questionamento sobre a morte de Jayland Walker.

Walker, um cidadão afro-americano de Ohio (EUA), foi morto por oito policiais que dispararam ao menos 60 tiros contra ele. O episódio provocou protestos em massa nos Estados Unidos.

Zhao observou que não é incomum que a polícia estadunidense aplique a lei com mais rigor ao lidar com minorias raciais. Desde 2020, citou, houve 2.563 mortes causadas por policiais nos Estados Unidos. Desse total, 565 eram afro-americanos, o que representa mais de 22% das mortes.

"Só este ano, 49 afro-americanos foram baleados e mortos pela polícia americana", disse o porta-voz.

Dos males do tráfico de escravos e da expulsão e matança de povos indígenas à situação abjeta em curso e ao sofrimento trágico dos afro-americanos e outras minorias étnicas, a supremacia branca e a promoção da "teoria da substituição" branca nos Estados Unidos são galopantes, e a discriminação racial sistemática e universal está se intensificando, observou Zhao.

Ele disse que os Estados Unidos, como Estado-Parte da Convenção Internacional sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Racial, falharam em tomar medidas efetivas para lidar com a discriminação racial sistemática, o que constitui uma grave violação de suas obrigações sob a convenção.

“Quantas mortes de George Floyd ou Jayland Walker são necessárias antes que o governo dos EUA realmente reflita sobre si mesmo e tome ações práticas para se livrar de sua arrogância e preconceito e alcançar justiça e justiça?”, questionou Zhao.

Xi Jinping: Desenvolvimento deve estar à frente e ao centro da agenda internacional

A China está disposta a trabalhar com países de todo o mundo para colocar o desenvolvimento à frente e ao centro da agenda internacional. A declaração foi feita pelo presidente chinês, Xi Jinping, em carta, nesta segunda-feira (4).

A mensagem de Xi foi encaminhada para o fórum 'Desenvolvimento Global: Missão e Contribuições Comuns', evento que contou com a participação de representantes de think tank e mídia da capital chinesa, Pequim, e patrocinado pelo Gabinete de Informação do Conselho de Estado.

Atualmente, o mundo é afetado pelos impactos combinados de grandes mudanças e uma pandemia em fúria, a recuperação econômica global é frágil e há uma crescente lacuna Norte-Sul, observou Xi.

"À medida que o mundo entra em um novo período de turbulência e transformação, a promoção do desenvolvimento se tornou um tema importante para a humanidade. Portanto, a China propõe a Iniciativa de Desenvolvimento Global", escreveu o presidente chinês.

A China está pronta para trabalhar com outros países na defesa da abordagem centrada nas pessoas e na busca de inclusão e benefícios para todos, desenvolvimento impulsionado pela inovação e harmonia entre o homem e a natureza, afirmou o presidente chinês.

O país também está disposto a pressionar para colocar o desenvolvimento na frente e no centro da agenda internacional, acelerar a implementação da Agenda 2030 da ONU para o Desenvolvimento Sustentável e promover um desenvolvimento global mais forte, mais verde e mais saudável, pontuou Xi.

A carta de Xi foi lida no fórum por Huang Kunming, membro do Birô Político do Comitê Central do Partido Comunista da China (PCCh) e chefe do Departamento de Publicidade do Comitê Central do PCCh.

China e EUA realizam videoconferência sobre questões econômicas

O vice-primeiro-ministro chinês, Liu He, e a secretária do Tesouro dos EUA, Janet Yellen, realizaram uma videoconferência sobre questões econômicas nesta terça-feira (5).

Os dois lados tiveram uma troca de pontos de vista pragmática e franca sobre a situação macroeconômica e a estabilidade das cadeias industriais e de suprimentos globais. 

Os representantes da China e dos EUA declararam que a economia mundial está enfrentando sérios desafios, portanto, é de grande importância fortalecer a comunicação e a coordenação de macropolíticas entre os dois países para manter conjuntamente a estabilidade das cadeias industriais e de suprimentos globais em benefício dos dois lados e do mundo.

A China expressou preocupação com questões como tarifas e sanções adicionais impostas pelos EUA ao país e o tratamento de empresas chinesas. Os dois países concordaram em continuar a manter o diálogo e a comunicação.

Empresas chinesas nos EUA se recuperam de interrupções em meio a incertezas crescentes

As empresas chinesas que operam nos Estados Unidos relataram estabilização e ligeira melhora de desempenho em 2021, enquanto o otimismo sobre as oportunidades no país tem diminuído com vários ventos contrários. É o que mostra a pesquisa realizada anualmente pela Câmara Geral de Comércio da China - EUA (CGCC) e Fundação CGCC.

De acordo com o levantamento, as margens de receita, lucratividade e lucro antes de juros e impostos (EBIT) das empresas chinesas nos Estados Unidos se recuperaram em relação aos dois anos anteriores. A pesquisa mostra que 54% das empresas relataram aumento de receita ano a ano, acima de uma proporção de 20% em 2020.

O relatório aponta que o EBIT das empresas recuperou para os níveis de 2018 e considerou a melhoria da lucratividade e o crescimento dos negócios como objetivos principais. 

O levantamento deste ano foi realizado entre março e abril de 2022. É a nova edição da pesquisa de negócios sobre empresas chinesas nos Estados Unidos. Nesta edição foram entrevistadas 111 empresas chinesas que operam nos EUA.

Uma década de transformação garantiu maior presença global do mercado financeiro da China

Os mercados de ações e o de títulos da China são agora os segundos maiores do mundo. Ambos expandiram 238,9% e 444,3%, respectivamente, ao longo dos últimos 10 anos. O setor financeiro chinês é jovem, está em rápido crescimento e inicia um movimento de maior abertura para os mercados globais para consolidar os passos transformadores da última década.

O setor também atraiu mais investidores estrangeiros e investidores institucionais, diversificou as opções de investimento e deu origem a um grupo de líderes da indústria de classe mundial.

Na última década, o mercado financeiro da China aguçou o apelo aos investidores em todo o mundo por meio de reformas para tornar o ambiente mais orientado para o mercado e baseado em regras.

Sistema de IPO

Um marco importante foi a introdução de um sistema de oferta pública inicial (IPO) baseado em registro, o que mostra que o mercado de capitais da China está se orientando para o mercado.

O país se comprometeu a executar o sistema de IPO em 2013, durante a Terceira Sessão Plenária do 18º Comitê Central do Partido Comunista da China. O sistema foi testado pela primeira vez no conselho de inovação sci-tech da Bolsa de Valores de Xangai, em 2019.

A experiência em Xangai ajudou a melhorar a transparência do mercado de capitais da China e estimular a inovação e o potencial de crescimento das empresas listadas. Também tornou o mercado de ações mais digno de investimento e abriu caminho para uma maior abertura do mercado de capitais.

Para inclinar o financiamento mais a favor de empresas menores e impulsionadas pela inovação, a China lançou o conselho de inovação sci-tech em 2019 e a Bolsa de Valores de Pequim, em 2021, em complemento aos principais conselhos dominantes das bolsas de Xangai e Shenzhen.

Dados oficiais mostraram que 46 das cerca de 2.200 empresas chinesas listadas em indústrias emergentes estão avaliadas em mais de 100 bilhões de yuans (cerca de 14,9 bilhões de dólares americanos), acima de zero há 10 anos.

O mercado recebe um papel cada vez mais proeminente no setor financeiro da China para discernir as empresas de qualidade e filtrar as de baixo desempenho. Nas ações A, os fundos agora favorecem distintamente as empresas com lucros robustos. 

Legislação e regulação

O Estado de Direito também está sendo fortalecido no mercado de capitais. A nova lei de valores mobiliários em vigor desde 1º de março de 2020 e uma série de documentos regulatórios aumentaram as penalidades para crimes financeiros, enquanto a política de "tolerância zero" de aplicação da lei aumentou a dissuasão.

Em um aceno para a evolução do mercado de capitais da China, grandes referências globais como MSCI, FTSE Russell e S&P Dow Jones incluíram as ações A e fortaleceram suas ponderações. Os títulos do governo da China também chegaram a três principais índices do mercado global de títulos.

Atração de investidores estrangeiros

Um campo de jogo acolhedor beneficiou instituições financeiras e investidores nacionais e estrangeiros. O ativo total das corretoras de futuros e valores mobiliários da China aumentou 5,5 vezes no período, enquanto os fundos de oferta pública agora administram 26 trilhões de yuans de ativos, nove vezes mais do que há 10 anos.

Para atrair investidores estrangeiros, a China eliminou os limites de propriedade estrangeira para títulos, gestão de fundos, futuros e empresas de seguros de vida; e lançou os esquemas de conexão de ações Xangai-Hong Kong e Shenzhen-Hong Kong. Também permitiu que investidores institucionais estrangeiros elegíveis investissem diretamente ou por meio de conectividade no mercado de títulos cambiais desde 30 de junho.

Como resultado, as participações de entidades estrangeiras em ativos financeiros domésticos em renminbi (RMB) aumentaram 2,4 vezes em comparação com 10 anos atrás, enquanto o peso do RMB na cesta de direitos de saque especiais do Fundo Monetário Internacional aumentou de 10,92% em 2016 para 12,28%.

Investidores institucionais e fundos estrangeiros detinham 22,8% do valor total das ações negociáveis ??até o final de maio, um aumento de 6,9 ??pontos percentuais em relação a 2016, mostraram dados oficiais.

Potencial a ser explorado

Além das conquistas da última década, analistas e autoridades dizem que ainda há um enorme potencial a ser explorado antes que a China ganhe uma presença digna de seu tamanho no mercado financeiro global.

Atualmente, o RMB responde por apenas 2,79% das reservas globais de mercado de câmbio. As participações de investidores estrangeiros nos mercados de ações e títulos da China estão em um nível relativamente baixo de 3% a 5% em comparação com economias como Japão, República da Coreia e Brasil.

Especialistas do setor querem que a China facilite ainda mais o acesso estrangeiro ao mercado financeiro chinês. As autoridades estão em movimento. O sistema de IPO baseado em registro, agora estendido à Bolsa de Valores de Pequim e ao mercado ChiNext de alta tecnologia na Bolsa de Valores de Shenzhen, será implementado em todos os setores para melhorar ainda mais a qualidade das empresas listadas na China.

O país expandirá o escopo dos esquemas de conexão de ações Xangai-Hong Kong e Shenzhen-Hong Kong e oferecerá aos investidores estrangeiros mais investimentos transfronteiriços e produtos de gerenciamento de risco. Também aumentará as capacidades de supervisão e aumentará a cooperação com outros países.

Os investidores estrangeiros reconheceram o apelo dos ativos em RMB, com mais de 60% das instituições financeiras estrangeiras pesquisadas pelo Banco da China dizendo que aumentarão suas participações em ativos denominados em RMB.

5ª Cúpula da China Digital se concentrará na Iniciativa China Digital

A 5ª Cúpula Digital China será realizada na cidade de Fuzhou, na província de Fujian, leste do país, nos dias 23 e 24 de julho. O evento serve de plataforma para divulgar as políticas chinesas sobre desenvolvimento de tecnologia da informação. 

A cúpula servirá para apresentar as mais recentes conquistas na busca da Iniciativa China Digital, realizará intercâmbios sobre teorias de governo eletrônico e economia digital e reunirá pontos fortes para promover a cooperação em aspectos relevantes. 

Uma exposição especial vai mostrar as últimas conquistas na construção de uma "China digital" nos últimos cinco anos. Também haverá uma exposição de produtos digitais.

O anúncio da data do evento foi feito nesta terça-feira (5) pelos organizadores, que vão se concentrar em mudanças impulsionadas pela inovação e novos cenários liderados pela digitalização na busca da Iniciativa China Digital.

A cúpula é co-patrocinada por autoridades chinesas, entre elas a Administração do Ciberespaço da China (CAC), o Ministério da Indústria e Tecnologia da Informação e o governo provincial de Fujian. 

Expectativa média de vida na China atinge 77,93 anos

A expectativa de vida média do povo chinês aumentou de 76,5 anos em 2016 para 77,93 anos em 2022. O anúncio foi feito pelo vice-chefe do escritório para a promoção da iniciativa China Saudável 2030, Mao Qun'an, nesta terça-feira (5).

A China lidera os países de renda média e alta nos principais indicadores de saúde, e as metas para 2020 estabelecidas no plano foram alcançadas em geral, afirmou Mao. 

Ao comentar as conquistas no avanço da iniciativa, Mao explicou que um sistema de políticas para a promoção da saúde tomou forma, os fatores de risco à saúde foram colocados sob controle efetivo, a capacidade de fornecer às pessoas serviços de saúde durante toda a continuidade da saúde foi substancialmente melhorada e grandes doenças foram efetivamente controladas.