CHINA EM FOCO

Leitura para crianças: evento reúne grandes escritores do Brasil e da China

'Infância sem fronteiras: Literatura infantil e os Intercâmbios entre Brasil e China' teve a participação de Maurício de Sousa, Gabriel Chalita, Ilan Brenman, Qin Wenjune e Yin Jianling

Escrito en GLOBAL el

Nesta quarta-feira (6) grandes nomes da literatura infantil do Brasil e da China: Maurício de Sousa, Gabriel Chalita, Ilan Brenman, Qin Wenjune e Yin Jianling. Eles participaram do 'Diálogo Virtual Infância Sem Fronteiras: Literatura infantil e os Intercâmbios entre Brasil e China'.

A literatura infantil é uma ponte que aproxima jovens brasileiros e chineses. É por meio de histórias, que poderiam acontecer tanto aqui quanto lá, que as crianças podem se identificar com situações cotidianas, além de ficarem instigadas pelas diferenças culturais. 

O evento foi promovido para debater as possibilidades de diálogo das culturas brasileiras e chinesa por meio da literatura pelo Consulado Geral da República Popular da China em São Paulo, a Academia Paulista de Letras, o Instituto Confúcio na Unesp e a Associação dos Escritores de Xangai.

O diálogo teve tradução simultânea para português e chinês e mediação de José Renato Nalini, presidente da Academia Paulista de Letras.

Assista ao evento:

Hong Kong adotará medidas para atrair novos talentos

O novo governo da Região Administrativa Especial de Hong Kong (RAEHK) vai apresentar uma série de medidas para atrair novos talentos e reter os que já existem na cidade. O anúncio foi feito nesta quarta-feira (6) pelo recém-empossado chefe do executivo local, John Lee.

"Hong Kong tem sua própria competitividade e atratividade", observou Lee. A declaração foi feita durante a primeira participação dele em uma sessão de perguntas e respostas com o Conselho Legislativo desde que assumiu o cargo no dia 1o de julho. 

Lee afirmou que o pacote a ser lançado visa promover o desenvolvimento da inovação tecnológica na região e incluirá ações para expandir o acesso ao mercado e integração na área da Grande Baía. A área, localizada ao longo da costa sul da China, compreende as duas regiões administrativas especiais de Hong Kong e Macau, além de nove cidades do continente chinês na província de Guangdong. 

De acordo com uma pesquisa realizada pela Câmara Geral de Comércio de Hong Kong em janeiro deste ano, 40% das empresas da cidade constataram a perda de talentos qualificados nos últimos anos. A ex-presidente-executiva Carrie Lam chegou à mesma constatação, mas assim como Lee disse acreditar nas vantagens da região.

No que diz respeito à formulação de políticas, Lee disse aos legisladores que considera a criação de uma equipe responsável por debater políticas sobre as necessidades de Hong Kong, concentrando-se nas perspectivas nacionais.

Lee também mencionou a implementação do princípio "Um país, dois sistemas". Ele enfatizou que se esforçará mais para aumentar a conscientização pública de "áreas leves", incluindo reportagens da mídia e eventos culturais e artísticos. 

O chefe executivo da RAEHK finalizou que promoverá ainda mais a educação do patriotismo entre os residentes de Hong Kong.

Governo chinês pede sugestões para reduzir emissões de carbono

O principal conselheiro político da China, Wang Yang, pediu esforços redobrados para reunir sugestões que ajudem o país a atingir as metas de redução de emissão e neutralidade de carbono. 

A China anunciou que se esforçará para atingir o pico das emissões de dióxido de carbono até 2030 e alcançar a neutralidade de carbono até 2060. 

O apelo de Wang, membro do Comitê Permanente do Birô Político do Comitê Central do Partido Comunista da China (PCCh) e presidente do Comitê Nacional da Conferência Consultiva Política do Povo Chinês, fez o apelo nesta terça-feira (5) durante um simpósio de pesquisa e consulta realizado em Pequim.

O evento reuniu representantes de partidos políticos não pertencentes ao PCCh, que compartilharam pontos de vista e sugestões sobre o que pode ser feito em vários campos para impulsionar a transformação verde. Entre as sugestões oferecidas estão ampliar o desenvolvimento de energia nova e limpa, expandir o mercado de comércio de carbono e aprimorar a tecnologia de baixo carbono.

A busca das metas de redução de carbono da China requer uma sinergia de sabedoria e força de várias frentes, observou Wang. Ele afirmou que os partidos políticos relevantes e as organizações populares devem continuar a realizar pesquisas aprofundadas e fazer sugestões com foco em questões-chave para que o país alcance seus objetivos, além de dar o exemplo por meio de estilos de vida verdes e de baixo carbono.

As propostas foram debatidas com funcionários dos principais departamentos governamentais, incluindo a Comissão Nacional de Desenvolvimento e Reforma.

"Autoridades e departamentos relevantes devem aproveitar ao máximo esses resultados de pesquisa e aumentar a qualidade das consultas com os partidos políticos não pertencentes ao PCCh."
Membro do Comitê Permanente do Birô Político do Comitê Central do PCCh e presidente do Comitê Nacional da Conferência Consultiva Política do Povo Chinês, Wang Yang

China acusa EUA de 'terrorismo tecnológico' por tentar proibir exportações holandesas de tecnologia de chips para mercado chinês 

O porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Zhao Lijian, censurou os Estados Unidos por pressionar um fornecedor holandês a parar de vender equipamentos de fabricação de chips para a China. Ele classificou as ações dos EUA de um exemplo típico de "terrorismo tecnológico".

Zhao fez as observações nesta quarta-feira (6) durante coletiva de imprensa ao responder a sobre relatos de que o governo dos EUA têm pressionado a Holanda a proibir a fornecedora de equipamentos para fabricantes de semicondutores ASML Holding NV de vender para a China.

"É outro exemplo dos Estados Unidos abusando de seu poder nacional e confiando na hegemonia tecnológica para se engajar na diplomacia coercitiva", observou Zhao.

O porta-voz comentou que, no atual contexto de globalização, os Estados Unidos têm repetidamente politizado, instrumentalizado e ideologicamente orientado em questões tecnológicas e econômicas e comerciais, e impôs "bloqueios tecnológicos" a outros países, o que só fará com que esses países percebam que contar apenas com os Estados Unidos para a tecnologia não funcionará.

“Isso também levará os países a acelerarem sua realização de independência e autoconfiança científica e tecnológica”, acrescentou Zhao.

O porta-voz  também disse que espera que as partes relevantes mantenham posições objetivas e imparciais, procedam de acordo com seus próprios interesses de longo prazo e o princípio de um mercado justo e justo, e tomem decisões de forma independente.

Economia da China deve melhorar em meio a políticas de apoio no segundo semestre

Relatório do Banco da China divulgado nesta quarta-feira (6) mostra que a economia do país deve crescer no segundo semestre deste ano. O documento aponta que os indicadores econômicos mostram que em meio a uma série de políticas de apoio, a expectativa é que a economia da segunda maior economia do mundo supere gradualmente os impactos negativos da pandemia da Covid-19.

De acordo com o documento, embora riscos como aumento da inflação global, tensões geopolíticas e mercados financeiros internacionais voláteis continuem a pesar nas perspectivas econômicas, a demanda doméstica desempenhará um papel fundamental na estabilização do crescimento do país durante o segundo semestre do ano. 

O relatório mostra ainda que os fundamentos econômicos da China e o potencial de crescimento de longo prazo permanecem inalterados. Apesar dos desafios, o emprego no país permaneceu estável e o aumento de preços foi mantido dentro de uma faixa moderada, deixando mais espaço para as autoridades manobrarem políticas macro.

Para o futuro, o relatório sugere alavancar ainda mais as políticas fiscais e monetárias para ajudar as empresas a superar as dificuldades, expandir o investimento efetivo e estabilizar o crescimento. Mais esforços devem ser feitos para estimular o consumo, promover o desenvolvimento constante do setor imobiliário e promover a competitividade de longo prazo por meio de atualização tecnológica e inovação.

Economia digital chinesa chega a segundo lugar do mundo 

A economia digital da China, avaliada em 11 trilhões de yuans (US$ 1,64 trilhão) em 2012, passou para os 45 trilhões (US$ 6,7 trilhões) em 2021 e passou a ocupar o o segundo lugar no mundo. A proporção da economia digital no PIB aumentou de 21,6% para 39,8%, segundo dados do Ministério da Indústria e Tecnologia da Informação do país.

Em maio de 2022, a China construiu a maior infraestrutura de redes do mundo, com fibra óptica disponível em todas as cidades no nível de prefeitura.

Os usuários de gigabit da China ultrapassaram os 50 milhões, as estações base 5G atingiram 1,7 milhão e os usuários de telefones celulares 5G ultrapassaram os 420 milhões.

Em 2021, o valor agregado da indústria de fabricação da indústria eletrônica do país aumentou 15,7% face ao ano anterior, com uma taxa de crescimento a alcançar um novo recorde em quase 10 anos.

As receitas comerciais da indústria de software e serviços de tecnologia da informação, bem como da internet e empresas de serviços relacionados, manteve uma taxa de crescimento de 17,7% e 16,9%, atingindo os 9.499,4 bilhões e 1.550 bilhões de yuans, respectivamente.

Em 2021, as vendas no varejo online de bens físicos da China ultrapassaram os 10 trilhões de yuans pela primeira vez - um aumento anual de 12%. Os serviços de pagamentos móveis alcançaram um aumento anual de 22,73%.

Primeiros Arquivos Históricos da China abertos ao público

Os Primeiros Arquivos Históricos da China foram abertos ao público nesta quarta-feira (6). Os visitantes terão acesso a mais de 4,68 milhões de documentos de arquivo, segundo a Administração Nacional de Arquivos da China.

Esta é a primeira vez que os arquivos são abertos ao público desde a mudança para o novo local.

Exposições, incluindo as que apresentam arquivos ou contêineres de arquivo das dinastias Ming e Qing (1368-1911), apresentarão aos visitantes centenas de preciosos documentos de arquivo chinês, incluindo aqueles selecionados no Registro da Memória do Mundo da Unesco.

Mais de 300 arquivos preciosos, mais de 100 fotos, mais de 20 conjuntos de produtos audiovisuais e livros e objetos revolucionários históricos também estão em exibição para mostrar os esforços e conquistas do Partido Comunista da China.

Há ainda mais de 4,1 milhões de arquivos disponíveis para consulta pública no site oficial dos arquivos. 

Drama de época é grande sucesso de público na China

 

'A Dream of Splendor' (Um sonho de esplendor, em tradução livre) é o drama de época de maior sucesso entre o público chinês este ano. Inspirado em uma peça clássica escrita na Dinastia Yuan (1271-1368) por Guan Hanqing, conhecido como "Shakespeare da China", a história se passa durante a Dinastia Song (960-1279). 

O drama narra o romance entre Zhao Pan'er, dona de uma famosa casa de chá interpretada pela atriz Liu Yifei, e Gu Qianfan, o comandante da Agência de Inteligência no Gabinete de Segurança da Capital que é interpretado pelo ator Chen Xiao. O elenco tem ainda a participação de Liu Yan como Sun Sanniang, uma cozinheira; e de Lin Yun como Song Ynzhang, uma talentosa musicista.

Um dos destaques da produção é o protagonismo feminino. Nos últimos anos, filmes e séries de TV chineses apresentaram um número crescente de histórias com temas de mulheres fortes e independentes, com o público feminino formando a maioria de sua audiência geral. 

A Dinastia Song, tempo em que a história se passa, é considerada um dos poucos regimes imperiais da China que permitiram às mulheres expressar opções diversificadas. A pesquisadora da história das roupas e acessórios femininos Chen Shiyu explica que esse período foi marcado por uma economia próspera que se desenvolveu graças à mente aberta das pessoas. Isso tornou possível que as mulheres perseguissem suas ambições de carreira.

O crítico de filmes de Pequim,Yuan Yun'er observa que o desenvolvimento da China ao longo dos anos moldou o futuro de um grande número de mulheres bem educadas e também viu o público feminino superar em número os masculinos nos últimos tempos. Como resultado, filmes e dramas que retratam heroínas de sucesso são cada vez mais bem-vindos.

Outro fator que explica o sucesso de 'A Dream of Splendor' é o crescente interesse pela cultura tradicional entre a geração mais jovem nos últimos anos. Yuan avalia que a agitação da vida urbana durante a Dinastia Song provou ser outra atração para o público chinês. 

O crítico comenta ainda que a produção alcançou um avanço com uma perspectiva realista, já que muitos desses sucessos anteriores eram contos de fantasia centrados nas histórias de amor de seres celestiais.

"Do movimentado mercado de Dongjing às famílias ribeirinhas em Qiantang (agora Hangzhou, capital da província de Zhejiang), o drama mostra como os chineses viviam cerca de mil anos atrás, proporcionando uma visão panorâmica interessante da vida das pessoas comuns naqueles lugares e dias", destacou Yuan.

Segundo a crítica especializada, a produção elevou o nível de romances de fantasia domésticos, gênero popular na indústria do showbiz da China. No Douban, uma das plataformas de críticas mais visitadas do país, a série ganhou 8,3 pontos em 10 - uma das pontuações mais altas para o gênero este ano. Já no MyDramaList, um site em inglês onde o drama asiático e os fãs de cinema avaliam e discutem produções, obteve 8,3 pontos em 10.

Até o momento foram exibidos 40 episódios da produção no site de streaming Tencent Video e no serviço WeTV, além da distribuição para países como Coreia do Sul, Malásia, Camboja e Japão.