Clarín, principal jornal argentino, sofre ataque com bombas molotov; veja o vídeo

Através do vídeo gravado por uma câmera de segurança é possível perceber que foram atiradas entre sete e oito bombas contra o prédio

A entrada principal do prédio do jornal El Clarín, em Buenos Aires, na Argentina, foi atacada com coquetéis molotov, na noite desta segunda-feira (22), por um grupo de pelo menos nove pessoas.

A sequência foi filmada e a investigação já está nas mãos da Justiça Federal, a cargo do desembargador Luis Rodríguez, que classificou o caso como “intimidação pública”.

A equipe de segurança do jornal detalha que às 23h05 de segunda-feira, um grupo de nove homens encapuçados foi visto descendo a Rua Piedras e parando em frente ao prédio da AGEA, localizado naquela rua.

Através do vídeo gravado por uma câmera de segurança é possível perceber que foram atiradas entre sete e oito bombas contra o prédio. Os artefatos provocaram um princípio de incêndio na fachada do edifício. O fogo foi rapidamente controlado e os agressores fugiram.

Não houve feridos nem danos mais graves ao edifício. Os bombeiros chegaram ao local, mas não precisaram fazer nenhuma intervenção, pois o fogo se apagou sozinho.

A polícia chegou logo a seguir e iniciou, junto aos bombeiros, uma investigação para tentar identificar os agressores.

Nota do El Clarín

O El Clarín repudiou em nota o ataque: “Lamentamos e condenamos este grave fato que à primeira vista parece ser uma expressão violenta de intolerância contra um meio de comunicação. E aguardamos o urgente esclarecimento e punição aos culpados”.

Com informações do El Clarín

Publicidade
Avatar de Julinho Bittencourt

Julinho Bittencourt

Jornalista, editor de Cultura da Fórum, cantor, compositor e violeiro com vários discos gravados, torcedor do Peixe, autor de peças e trilhas de teatro, ateu e devoto de São Gonçalo - o santo violeiro.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR