Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
24 de março de 2020, 19h46

Coronavírus: Lideranças pedem perdão da dívida da América Latina com o FMI e o Banco Mundial

Entre os signatários estão a ex-presidenta Dilma Rousseff e os ex-presidentes Rafael Correa, Fernando Lugo, Ernesto Samper e José Luis Zapatero

Reprodução

Ex-presidentes e lideranças políticas da América Latina lançaram um documento na última sexta-feira (20) reivindicando o abono da dívida dos países da região com organismos de crédito internacionais em razão do surto do novo coronavírus. Nesta terça-feira (24), o texto ganhou o reforço de um abaixo-assinado apoiado por movimentos, ativistas, acadêmicos e jornalistas.

“O pagamento de juros onerosos dessas dívidas ao longo de décadas tornou-se um obstáculo para consolidar as finanças públicas em nossos países, resolver problemas sociais típicos do modelo econômico neoliberal e fortalecer serviços públicos que garantam a equidade social, desenvolvimento sustentável e democracia social e política”, diz trecho do abaixo-assinado.

O texto foi lançado em apoio ao documento “A hora do perdão da dívida para a América Latina“, promovido pelo Centro Estratégico Latino-americano de Geopolítica, (CELAG) com a assinatura de diversos ex-presidentes e figuras proeminentes nos países da região.

A ex-presidenta Dilma Rousseff e o ex-chanceler Celso Amorim estão entre os defensores do documento da CELAG que diz que “ninguém pode duvidar que este seja um momento oportuno para fazê-lo [o abono da dívida], se quiserem enfrentar com êxito essa situação difícil”. “Não podemos exigir que os países adotem políticas de saúde pública eficazes para lidar com a atual pandemia e, ao mesmo tempo, esperem que continuem cumprindo suas obrigações de dívida”, aponta o texto.

Além dos dois brasileiros, os ex-presidentes Rafael Correa, do Equador, Fernando Lugo, do Paraguai, Ernesto Samper, da Colômbia, e José Luis Zapatero, da Espanha, assinam o texto. O ex-vice-presidente da Bolívia Álvaro García Linera e o ex-candidato à presidência da Colômbia Gustavo Petro também aparecem na lista.

O documento é destinado a órgãos como o Fundo Monerário Internacional (FMI), o Banco Mundial (BC), o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e o Banco de Desenvolvimento da América Latina (CAF).

O abaixo-assinado lançado nesta terça é defendido por figuras como o vencedor do Prêmio Nobel da Paz Adolfo Pérez Esquivel e o cientista político Atílio Bóron. Escritores, jornalistas, movimentos sociais e partidos políticos também apoiam o texto.

Confira aqui o abaixo-assinado e todos os signatários


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum