Fórumcast, o podcast da Fórum
01 de abril de 2019, 17h32

Cuba monta hospitais de campanha para vítimas de ciclone em Moçambique

País enviou 16 médicos e outros funcionários de apoio e administrativos; há especialistas de medicina geral integrada, cirurgia, medicina interna, pediatria, ginecologia, ortopedistas e epidemiologistas

Foto: Cubadebate

Os médicos cubanos, que foram difamados por Jair Bolsonaro, que provocou o fim do programa Mais Médicos no Brasil, foram enviados a Moçambique logo após a passagem do ciclone Idai, que deixou mais de 700 mortos. Eles montaram hospitais de campanha completos com infraestrutura para consultas e cirurgias.

As tendas contam com laboratórios clínicos e microbiológicos, equipes para diagnósticos por imagem, além de 20 leitos de hospitalização.

Com sua vocação de espalhar profissionais da saúde pelo mundo, especialmente em países que precisam desse tipo de auxílio, Cuba encaminhou a Moçambique 16 médicos e outros funcionários de apoio e administrativos. Há especialistas de medicina geral integrada, cirurgia, medicina interna, pediatria, ginecologia, cirurgiões, ortopedistas e epidemiologistas.

No total, há mais de 270 colaboradores cubanos prestando assistência em Moçambique.

Solidariedade

Gladys Bejerano Portela, vice-presidenta do Conselho de Estado e Controladoria Geral da República, esteve na embaixada de Moçambique em Havana, capital cubana, e se pronunciou em solidariedade ao país africano.

“Em nome do Estado, o governo e o povo cubano, expressamos nossas mais profundas condolências, simpatia e solidariedade com o governo e povo da República de Moçambique”, declarou.

(*)Com informações do Opera Mundi e Cubadebate

Nossa sucursal em Brasília já está em ação. A Fórum é o primeiro veículo a contratar jornalistas a partir de financiamento coletivo. E para continuar o trabalho precisamos do seu apoio. Saiba mais.


Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum