Ouça o Fórumcast, o podcast da Fórum
06 de agosto de 2018, 17h03

Curuguaty: Suprema Corte do Paraguai absolve camponeses por unanimidade

Segundo os ministros da Suprema Corte do Paraguai, não ficou provada a participação dos camponeses nos crimes julgados - invasão de imóvel alheio, associação criminal e homicídio doloso

A Suprema Corte de Justiça do Paraguai revogou por unanimidade a sentença de 11 camponeses condenados em 2016 pelo caso conhecido como “massacre de Curuguaty“. A decisão determina a imediata libertação dos detidos por conta de severas falhas na investigação e no processo. Segundo os ministros da Suprema Corte, não ficou provada a participação dos camponeses nos crimes julgados – invasão de imóvel alheio, associação criminal e homicídio doloso.

A sentença revogatória da Suprema Corte questiona também o trabalho da Promotoria de Justiça – alvo de muitas denúncias de organizações locais e internacionais durante os últimos seis anos. Isso indica graves irregularidades cometidas, a falta de investigação sobre a morte dos 11 camponeses e a suspeita de torturas e execuções extrajudiciais durante a operação policial de 2012.

No Paraguai, 90% da terra pertence a 12 mil grandes proprietários, enquanto que os 10% restantes se dividem em 280 mil pequenas e médias propriedades, segundo o estudo Os Donos da Terra no Paraguai, publicado pela ONG Oxfam em 2016.

Nesse contexto de profunda desigualdade na distribuição de terras, mais de 120 famílias camponesas de Curuguaty – inclusive vítimas e familiares das vítimas do massacre  promovido em 2012 – estão há 12 anos exigindo o uso das terras de propriedade estatal para moradia e cultivo de alimentos.

“Consideramos a revogação da condenação dos camponeses um grande avanço na busca por Justiça”, diz Simon Ticehurst, diretor da Oxfam para a América Latina e Caribe. “Esperamos que o Estado promova agora uma investigação completa, imparcial e independente do caso Curuguaty, de acordo com as recomendações do Conselho de Direitos Humanos da ONU, e garanta uma reparação integral a todos os que foram afetados pelo caso, incluindo aí acesso à terra para as famílias camponesas.”

De acordo com o estudo da Oxfam, a concentração da terra está ligada ao êxodo rural, à captura de recursos naturais e bens comuns, à degradação do meio ambiente e à formação de uma poderosa elite associada a um modelo agrícola baseado no latifúndio de monocultivo, voltado à produção de commodities para exportação e não para a produção de alimentos. É preciso reconhecer que a desigualdade é um grave e urgente problema no Brasil e que sua solução passa por transformações em suas causas estruturais.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum