domingo, 25 out 2020
Publicidade

Deputado argentino toca e beija os seios de mulher em plena sessão virtual da Câmara

Kirchnerista Juan Emilio Ameri foi suspenso e poderia ser até expulso do parlamento. O parlamentar alega que pensava que a conexão havia caído e que sua câmera não estava transmitindo. “Foi apenas um beijo em uma teta”, disse

A cena aconteceu nesta quinta-feira (24). Era uma sessão virtual da Câmara dos Deputados da Argentina, que estava sendo transmitida ao vivo. Em um dos quadros da linha inferior estava a câmera de Juan Emilio Ameri, deputado kirchnerista, representante da província de Salta.

Em um momento, Ameri se afasta da câmera e sua namorada aparece, e se senta no seu colo. Após alguns minutos em que parece que Ameri está conversando com ela, sem se importar com o que acontece na sessão, ele puxa um dos seios da mulher para fora da blusinha, o manuseia, e depois o beija.

O flagra se tornou vídeo viral nas redes sociais em poucos minutos, e fez com que o presidente da Câmara de Deputados, Sergio Massa, decidisse suspender temporariamente o parlamentar da sua própria coalizão – de sustentação ao governo de Alberto Fernández.

No entanto, parlamentares opositores ameaçam apresentar uma queixa na Comissão de Ética e pedir a expulsão de Ameri. Por outro lado, o jornal argentino Página/12 afirma que há rumores de que a própria coalizão governista Frente de Todos está pressionando para que o deputado renuncie.

Em entrevista ao canal local C5N, Ameri disse estar “envergonhado, muito envergonhado, e minha namorada está aqui chorando”. Ele justificou a situação dizendo que achava que a conexão havia caído. “Eu sabia que a câmera estava ligada, mas pensei que não estava transmitindo”.

Também contou que “minha mulher queria me ver porque havia colocado prótese nos seios recentemente, e queria me mostrar. Eu apenas dei um beijo em uma teta, e isso foi tudo”.

Estas são as desculpas do deputado:

Victor Farinelli
Victor Farinelli
Jornalista formado pela Universidade Católica de Santos, há 15 anos é correspondente na Argentina (2004 e 2005) e no Chile (desde 2006).