O que o brasileiro pensa?
24 de junho de 2020, 19h17

Dilma e líder trabalhista inglês defendem unidade da esquerda contra a ascensão da extrema direita mundial

Videoconferência reuniu a ex-presidenta brasileira e o parlamentar Jeremy Corbyn, uma das principais figuras do Partido Trabalhista, maior força de oposição no Reino Unido, além do jornalista estadunidense Glenn Greenwald

Foto: reprodução

Uma videoconferência realizada nesta quarta-feira (24) reuniu figuras do PT (Partido dos Trabalhadores) e do Partido Trabalhista inglês, e contou com a participação da ex-presidenta brasileira Dilma Rousseff e do parlamentar britânico Jeremy Corbyn, ex-líder da oposição no país – cargo que ocupou desde 2015 e até o último mês de abril.

Durante a conversa, promovida pelos ingleses dentro do seminário “Brazil, Bolsonaro and the Coronavirus Catastrophe”, Dilma e Corbyn manifestaram sua preocupação com a ascensão da extrema-direita em vários países do mundo, a começar pelo Brasil, que tem vivido as consequências desse fenômeno junto com os problemas da pandemia dos coronavírus.

O líder britânico expressou sua solidariedade ao povo brasileiro, ao que descreveu como “vítima da irresponsabilidade de Jair Bolsonaro”. A ex-presidenta chamou a política de Bolsonaro para enfrentar a pandemia de “ação criminosa”, e disse que o atual mandatário “não tem sensibilidade diante da vida e da morte”.

“A reação de Bolsonaro (à pandemia) piorou a situação no Brasil. É uma loucura o presidente dizer que qualquer medida de isolamento deve ser evitada”, lembrou Corbyn. Em seguida, o britânico também falou de sua preocupação com a crise ambiental brasileira e “o terror mundial em relação às queimadas da Floresta Amazônica”.

Ambos os líderes reforçam compromisso dos seus partidos com a defesa dos interesses dos trabalhadores e defenderam a unidade da esquerda em uma ação internacional contra a agenda neoliberal e a ascensão da extrema-direita.

Também participaram do encontrou o jornalista estadunidense Glenn Greenwald e a parlamentar inglesa Claudia Webbe.

Em sua intervenção, Greenwald analisou a situação do Brasil dizendo ser “indescritivelmente trágica”. Para o jornalista, “nós temos três crises interligadas que se retroalimentam e pioram umas as outras. Uma é pandemia. A outra é a crise econômica e o aumento da desigualdade. E a terceira é um ataque concatenado contra a democracia brasileira por Bolsonaro. O Brasil está sob ataque”.

Para encerrar, Corbyn defendeu a unidade internacional da esquerda, dizendo que “não podemos permitir que o mundo seja conduzido por corporações. Essa unidade é muito importante. Vamos trabalhar com Lula, Dilma e (o senador estadunidense) Bernie Sanders. Somos fortes. Essa é a força para o futuro. Vamos aprender com as lições desta pandemia de covid-19”.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum