Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
10 de Maio de 2019, 19h26

Eleições Europeias: O Brexit e o paradoxo do voto europeu na Grã-Bretanha

Uma situação caótica de consequências imprevisíveis no plano nacional e internacional

Reprodução

Por Fabio Porta* / Tradução de Vinicius Sartorato**

A notícia é de alguns dias atrás: os eleitores ingleses votarão no próximo dia 23 de maio (e não no dia 26, como a maioria dos europeus) para escolher os 73 deputados que representarão a Grã-Bretanha no próximo Parlamento Europeu.

Uma situação paradoxal, que a distância de quase três anos do referendo de junho de 2016, que ficou conhecido como Brexit (a saída britânica da União Europeia), complica ainda mais o quadro político nacional e internacional que resultou no imprevisível êxito do referendo.

Depois de três anos, inclusive, primeira-ministra Theresa May não foi capaz de aprovar no parlamento inglês um modelo de saída gradual acordado com a União Europeia. A primeira consequência disso é que foi concedida aos britânicos uma prorrogação de seis meses (até 31 de outubro) para saída definitiva do bloco. Enquanto a Grã-Bretanha elegerá deputados que poderão exercer seus mandatos por poucos meses (se não por poucas semanas).

Uma verdadeira “composição de cores”, que confirma a insensatez e a precipitação da escolha do então primeiro-ministro David Cameron de convocar um referendo na convicção de reforçar a permanência da Grã-Bretanha na UE; instrumento que, ao contrário, se tornou um “boomerang” que surpreendeu a todos.

Para vencer o Brexit foram aos subúrbios das grandes cidades, ao interior da Grã-Bretanha e às pessoas mais velhas (muitos jovens, pelo contrário, abstiveram-se de uma votação que eles não entendiam e muitas vezes não concordavam); tratou-se de uma votação definitivamente influenciada por uma sutil campanha de medo espalhada pelas redes sociais por alguém que alimentou a idéia de um sentimento anti-europeu, temendo uma improvável “invasão muçulmana” no Reino Unido por ondas de imigrantes que chegam da África e do sul da Europa.

Uma espécie de manipulação encoberta, como demonstrado e denunciado pela socióloga e jornalista inglesa Carole Cadwalladr, autora de uma investigação com a qual ela mostra como, mesmo na ausência de imigrantes (e, ao contrário, na presença de benefícios diretos do financiamento europeu na economia) cidades inteiras do interior da Grã-Bretanha votaram a favor do Brexit, em resposta aos estímulos recebidos através das “redes” e aos consequentes medos construídos para alimentar o sentimento anti-UE.

Um mecanismo terrível que se repetiu com a eleição de Donald Trump nos EUA, na eleição italiana com a vitória do governo da aliança 5 Estrelas e Liga e também na eleição de Bolsonaro no Brasil; sob um sistema obscuro que em março de 2018 assumiu tons ainda mais perturbadores com a eclosão do caso “Cambridge Analytica”, empresa norte-americana ligada a Steve Bannon (estrategista principal da campanha de Trump), acusada de ter “roubado” milhões de informações confidenciais de perfis de usuários do Facebook em todo o mundo.

Para além da existência ou não de interferências sobre o voto, tanto a vitória do Brexit como a falta de um acordo no parlamento sobre os critérios da saída da UE são um fato; e, em particular, a eleição de 73 deputados britânicos que poderão influenciar o delicado equilíbrio do próximo Parlamento Europeu, começando com a escolha do novo chefe da Comissão Europeia (o chefe do governo europeu).

No contexto britânico, quem poderia se aproveitar dessa situação caótica poderia ser Nick Farage, o líder do Ukip, partido britânico de extrema-direita, ultra-nacionalista e explicitamente anti-europeu. Talvez, no entanto, vejamos o sucesso do Partido Trabalhista, de Jeremy Corbyn, em crescimento sobre os conservadores de Theresa May. Esse resultado poderia afetar diretamente o já precário equilíbrio do Congresso Britânico, provocando eleições antecipadas, que marcariam o fim do fracassado governo conservador.

Tanto em Londres como em outros lugares está sendo jogado um jogo que poderá repercutir com incerteza sobre o futuro do projeto de integração dos povos europeus, cada vez mais sujeitos ao ataque dos partidos soberanistas e nacionalistas de extrema-direita do continente.

 

*Fabio Porta é secretário do Partido Democrático (PD) Italiano no Brasil, ex-deputado do parlamento italiano (2008-2018).

 

**Vinicius Sartorato (@vinisartorato) é jornalista e sociólogo. Mestre em Políticas de Trabalho e Globalização pela Universidade de Kassel (Alemanha).


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum