sexta-feira, 23 out 2020
Publicidade

Eleições na Bolívia: Observadora internacional, Gleisi critica cobertura da imprensa

"As eleições dos EUA tem até debate entre os candidatos transmitido ao vivo", criticou a deputada

A presidenta nacional do PT, deputada federal Gleisi Hoffmann (PT-PR), está em missão na Bolívia como observadora nas eleições gerais que acontecem neste domingo (18) e criticou a ausência de cobertura dos meios de comunicação sobre o processo eleitoral que ocorre cerca de uma ano depois do golpe que tirou o ex-presidente Evo Morales e o MAS do governo.

“Impressionada com a falta de cobertura da grande mídia brasileira nas eleições da Bolívia. Vi apenas a FSP por aqui. A Bolívia é o país com maior fronteira seca com o Brasil e grande relação comercial”, disse Hoffmann no Twitter. Um repórter da Band TV informou à deputada que também está no país. “Que bom, vou citar na minha próxima fala”, respondeu ela.

A parlamentar ainda comparou a cobertura sobre o que ocorre no país vizinho com a do pleito dos Estados Unidos. “Agora, as eleições dos EUAs tem até debate entre os candidatos transmitido ao vivo”, finalizou.

Mais cedo, Hoffmann relatou que tudo estava transcorrendo normal na votação. Outros observadores também sinalizaram que a eleição foi pacífica, apesar de pequenas tensões. Pesquisas apontam que Arce, do MAS, pode vencer em primeiro turno. Os primeiros números devem sair em instantes.

A deputada federal Sâmia Bonfim (PSOL-SP), que também está presente no país como observadora enviada pelo Parlasur – o parlamento do Mercosul – denunciou “uma operação de intimidação por parte do governo golpista de Áñez” ao Brasil de Fato.

“Além da repressão estatal, há muitos grupos paramilitares que atacam sedes de movimentos sociais, agridem homens e mulheres nas ruas. Esse clima hostil está expresso hoje. A presença das Forças Armadas nas escolas é um claro símbolo de intimidação”, afirmou a parlamentar.

Atualização às 21h30

Lucas Rocha
Lucas Rocha
Jornalista da Sucursal do Rio de Janeiro da Fórum.