Pesquisas impulsionam militância de Joe Biden nas redes sociais; por Heloisa Villela

Levantamento da CBS mostra empate na Georgia e Biden à frente de Trump na Flórida e Carolina do Norte, onde o republicano venceu em 2016. Atriz Mia Farrow provocou trumpistas nas redes

Os democratas estão a mil nas mídias sociais, trocando informações, fotos e imagens animadoras. A progressista mais conhecida do partido, Alexandra Ocasio-Cortez, deputada por Nova York, reproduziu no Twitter um quadro da rede NBC sobre a participação dos jovens no pleito. Em alguns dos estados pêndulos, aqueles decisivos, os números são impressionantes.

Eleitores na faixa dos 18 aos 29 anos já votaram, antecipadamente, muito mais do que na última eleição. O mesmo aconteceu na Carolina do Norte e no Michigan. O entusiasmo é chave no país onde vota quem quer. E essa turma jovem tende a votar nos democratas.

Uma pesquisa divulgada da rede CBS divulgada nesse domingo (25) mostra Trump e Biden empatados na Georgia (estado tradicionalmente republicano), o democrata com apenas 2 pontos percentuais de vantagem na Flórida e com 4 pontos à frente do republicano na Carolina do Norte. Trump venceu nos três estados em 2016 e o que a pesquisa mostra é que o resultado neles, no momento, é uma incógnita.

Em Nova York, as filas foram enormes neste fim de semana. O estado começou a votar no último sábado e aqui o resultado é certo: Joe Biden vai vencer. Mas pelas mensagens e recados que a gente vê nas redes, ninguém quer correr o risco de ter faltado voto para derrotar Trump. Na cidade onde ele cresceu e se tornou o tal do magnata dono de hotéis e prédios residenciais, a maioria dos eleitores torce para que ele fique de vez na Flórida.

Trump continua apostando na tal da realidade alternativa. No debate e nos comícios que fez em seguida, ele continua repetindo que o país já está virando a curva, vencendo a pandemia de Covid. Enquanto isso, o número de novos casos dispara em mais de 30 dos 50 estados americanos. Na equipe do vice Mike Pence, 3 assessores testaram positivo no fim de semana. A doença avança no interior do país e dentro da Casa Branca.

O chefe de gabinete de Trump, Mark Meadows – o mesmo que quando Trump foi internado disse aos jornalistas que o quadro de saúde do presidente era bem mais grave do que os médicos estavam dizendo – afirmou que o país não vai controlar a pandemia e sim a produção de vacinas e remédios. Esse parece ter sido o plano do governo desde o começo. Deixar a doença se espalhar à vontade enquanto a economia continuava aberta, morresse quem morresse, até aparecer uma vacina. Se não fosse a resistência de alguns governadores, quem sabe quantos já teriam morrido.

Não foi à toa que o Lincoln Project, grupo de republicanos que faz campanha contra Trump, ocupou um outdoor gigante na Times Square nova-iorquina para acusar a filha do presidente e o marido dela de fazerem parte do descaso do governo pela vida da população. Na foto, a filha Ivanka mostra o número de mortes por covid na cidade e no país enquanto o marido, Jarred Kushner, aparece ao lado da frase: “os nova-iorquinos vão sofrer, mas isso é problema deles”.

O advogado do casal mandou uma carta para os diretores do Lincoln Project exigindo que os cartazes sejam retirados de circulação. A atriz Mia Farrow não aguentou e provocou, no Twitter. “É esse o outdoor que a gente não deve tuitar? ”, perguntou.

Avatar de Heloisa Villela

Heloisa Villela

Correspondente da Fórum em Nova York.