Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
09 de janeiro de 2020, 11h42

Embaixador do Irã na ONU descarta cooperação com os EUA após anúncio de novas sanções

"Queremos deixar claro que o Irã não será enganado pelo presidente dos Estados Unidos, que oferece cooperação vazia, ao mesmo tempo em que impõe sanções sem precedentes”, disse o diplomata Majid Takht Ravanchi

Congresso iraniano (Foto: Rreprodução Twitter)

O embaixador iraniano na ONU (Organização das Nações Unidas), Majid Takht Ravanchi, classificou como “inconcebível” o chamado do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump para uma cooperação entre os países após o ataque que matou o general Qassem Soleimani, comandante da Guarda Revolucionária Islâmica.

Em comunicado publicado nesta quinta-feira (8), o diplomata afirma que “as novas sanções econômicas iniciam uma segunda fase da escalada de animosidade, que se iniciou com o assassinato do general Qassem Soleimani. Nesse sentido, queremos deixar claro que o Irã não será enganado pelo presidente dos Estados Unidos, que oferece cooperação vazia, ao mesmo tempo em que impõe sanções sem precedentes”.

Além disso, Ravanchi também pediu que a comunidade internacional questionasse as novas sanções estadunidenses contra o seu país, que ele descreveu como “novas ações do típico terrorismo econômico estadunidense, que, além do mais, atentam contra o Direito Internacional”.

O diplomata iraniano também afirmou que o restabelecimento da paz e a estabilidade na região dependerá de uma “necessária cooperação regional”, mas não especificou com que outros países do Oriente Médio pretende cooperar.

Além disso, o Irã entregou uma carta no Conselho de Segurança da ONU, a respeito dos ataques realizados na terça-feira (7), na qual afirma “não buscar uma escalada militar, ou uma guerra, mas sim exercer seu direito de legítima defesa e de dar uma “resposta militar medida e proporcionada” com relação ao assassinato de Soleimani. “A operação (da terça-feira) foi precisa e apontou a objetivos militares, para não produzir danos colaterais entre civis e bens civis presentes na área”, escreveu Ravanchi.

Notícias relacionadas


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum