EUA classificam chinesa Huawei como “ameaça à segurança nacional”

Com a decisão, as empresas estadunidenses que recebem apoio de um fundo governamental de 8,3 bilhões de dólares ficam proibidas de comprar equipamentos ou serviços da empresa chinesa

Nesta terça-feira (30), a FCC (sigla em inglês da Comissão Federal de Comunicações dos EUA) classificou formalmente as empresas chinesas Huawei e ZTE Corp como “ameaças à segurança nacional”.

Com a decisão, todas as empresas estadunidenses que recebem apoio de um fundo governamental de 8,3 bilhões de dólares ficam proibidas de “comprar, obter, manter, melhorar, modificar ou apoiar qualquer equipamento ou serviço produzido ou fornecido” por essas empresas chinesas.

A FCC vinha ameaçando oficializar esta medida desde novembro, e propôs exigir que as operadoras removessem e substituíssem os aparelhos da Huawei e da ZTE das redes existentes nos Estados Unidos. “Não podemos e não permitiremos que o Partido Comunista Chinês explore vulnerabilidades de rede e comprometa nossa infraestrutura crítica de comunicações”, disse Ajit Pai, presidente da FCC.

A Huawei enfrenta problemas com Washington desde 2019, quando o governo de Donald Trump acusou a empresa de espionar usuários em favor do governo chinês por meio de seus dispositivos. A empresa tem negado as denúncias de forma veemente.

Os Estados Unidos também vêm pressionando seus aliados na Europa a fechar as portas de suas redes 5G nacionais para as empresas chinesas. No entanto, operadores de países como Espanha, Reino Unido, Itália e Suíça já manifestaram abertamente seu interesse na tecnologia da gigante chinesa.

Avatar de Redação

Redação

Direto da Redação da Revista Fórum.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR