EUA querem evitar que sucesso da Sputnik V aumente prestígio da Rússia na América Latina

Segundo a CNN, Departamento de Estado estaria preocupado com países que adquirem a vacina russa (incluindo o Brasil, que poderia ser o próximo a comprá-la) e a possibilidade de ela ter maior aprovação que os imunizantes estadunidenses

Há quem diga que a chamada “guerra das vacinas” já acabou, pois muitos produtos já foram lançados e estão sendo muito bem distribuídos mundo afora. Porém, segundo uma matéria publicada nesta quarta-feira (17) pela CNN, ainda há questões geopolíticas preocupando os Estados Unidos.

Segundo a cadeia televisiva estadunidense, o Departamento de Estado estaria avaliando ações para evitar que o uso cada vez mais difundido da vacina Sputnik V possa gerar um aumento do prestígio da Rússia na região.

Pela mesma lógica, os Estados Unidos também temem que essa possibilidade levaria a um efeito negativo na imagem do seu país, caso o produto russo tenha resultados mais satisfatórios que os imunizantes estadunidenses – como, por exemplo, os produzidos pelas farmacêuticas Moderna e Pfizer/Biontech.

“A vacinação contra a covid na América Latina não pode depender apenas de provedores dos Estados Unidos e da Europa, e está se voltando cada vez mais para Moscou, que aproveita essa ajuda durante a pandemia para fazer propaganda a favor do seu regime”, afirma a reportagem.

A vacina russa Sputnik V foi a primeira contra a covid-19 (infecção causada pelo coronavírus SARS-CoV-2) a ter sua fase de desenvolvimento concluída, e já está sendo usada em 28 países, incluindo sete da região da América Latina e Caribe: Argentina, Bolívia, Cuba, México, Nicarágua, Paraguai e Venezuela.

Em ao menos outros cinco países (Brasil, Chile, El Salvador, Jamaica e República Dominicana), seu uso está sendo avaliado pelas autoridades de saúde e poderia ser aprovado em breve.

No caso do Brasil, a aprovação por parte da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) é o último obstáculo que falta para que a Sputnik V possa ser usada.

O Estado da Bahia, inclusive, já possui um acordo para adquirir 50 milhões de doses do imunizante russo, e aguarda a liberação por parte das autoridades para colocar a medida em prática.

Publicidade
Avatar de Victor Farinelli

Victor Farinelli

Jornalista formado pela Universidade Católica de Santos, há 15 anos é correspondente na Argentina (2004 e 2005) e no Chile (desde 2006).

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR