Filipinas pede que Itamaraty “ordene” Rede Globo a tirar do ar vídeo de agressões à empregada

Os vídeos mostram a embaixadora filipina em Brasília agredindo diversas vezes sua empregada

Publicidade

A embaixada das Filipinas, em Brasília, enviou um ofício ao Itamaraty onde pede que o órgão “ordene” que a TV Globo retire do ar os vídeos de segurança que mostram a embaixadora filipina Marichu Mauro agredindo diversas vezes a sua empregada.

Na carta, que causou perplexidade entre diplomatas, a embaixada pede que o ministério “imediatamente ordene a TV Globo a retirar do ar todas os vídeos de segurança usados na reportagem”.

A embaixada reitera ainda que as imagens “foram usadas sem autorização prévia da embaixada”.

O Itamaraty não se manifestou, mas diplomatas ouvidos pela Folha consideraram a solicitação absurda e sem cabimento.

Embaixada ordenou retorno

O governo das Filipinas ordenou, nesta segunda-feira (26), o retorno de sua embaixadora no Brasil, Marichu Mauro, depois que imagens de vídeo mostrando a diplomata agredindo uma funcionária foram divulgadas.

Reportagem do Fantástico, da TV Globo, neste domingo (25), reproduziu as imagens, coletadas no circuito interno de TV da residência diplomática, em Brasília. Outro funcionário da embaixada fez a denúncia contra a diplomata no fim de agosto, ao Ministério Público do Trabalho, no Distrito Federal. Ele usou as imagens para provar as agressões.

A empregada também é de origem filipina. Nas imagens, Marichu aparece beliscando a funcionária, batendo em seu rosto, puxando sua orelha e golpeando-a com um guarda-chuva.

Avatar de Julinho Bittencourt

Julinho Bittencourt

Jornalista, editor de Cultura da Fórum, cantor, compositor e violeiro com vários discos gravados, torcedor do Peixe, autor de peças e trilhas de teatro, ateu e devoto de São Gonçalo - o santo violeiro.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR