quarta-feira, 23 set 2020
Publicidade

Fogo no Império: Protestos contra assassinato de George Floyd se espalham pelos EUA

O sábado (30) amanheceu com mais protestos nos Estados Unidos contra a morte de George Floyd, homem negro vítima fatal de violência policial na última terça-feira (26).

Desde então, saques, incêndios e confrontos com a polícia passaram a ser registrados em Minneapolis, onde ocorreu o episódio, e com o passar dos dias as manifestações foram se espalhando para outras localidades.

De acordo com o The New York Times, cidades em quase todos os estados norte-americanos registram intensas manifestações contra a prática racista da polícia.

Delegacias de polícia tem sido incendiadas em algumas localidades, e em outras os manifestantes protestam de forma pacífica. Tim Walz, governador de Minnesota, informou, inclusive, que policiais e agentes da guarda nacional chegaram a ser “atingidos” pelos manifestantes e que, neste momento, não pode “dar números”.

A indignação da comunidade negra estadunidense, que nos protestos tem repetido palavras de ordem como “não consigo respirar”, chegou, na sexta-feira (29), até a capital Washington, onde fica a Casa Branca. A sede do governo, inclusive, teve que ser isolada.

Em Atlanta, manifestantes protestaram em frente ao prédio da CNN, um dos maiores conglomerados de comunicação do mundo.

George Floyd

Na terça-feira quatro policiais foram detidos após envolvimento na tortura e assassinato de George Floyd. Um vídeo que repercutiu nas redes mostra o homem negro de 46 anos, algemado e deitado de bruços no chão, enquanto um agente pressiona o joelho contra seu pescoço por minutos. O policial que aparece no vídeo, Derek Chauvin, foi acusado nesta sexta por assassinato em terceiro grau e homicídio culposo.

Racismo nos EUA

Em entrevista ao programa Fórum Debate, o historiador Jones Manoel explicou as origens do racismo e da violência policial contra negros nos Estados Unidos.

Assista.

Redação
Redação
Direto da Redação da Revista Fórum.