O que o brasileiro pensa?
28 de junho de 2020, 21h11

França: Progressistas saem vitoriosos no 2º turno das eleições municipais

Macron e Le Pen são os grandes derrotados

A socialista Anne Hidalgo, que foi reeleita prefeita de Paris, em homenagem ao ex-presidente Lula no início do ano (Foto: Ricardo Stuckert)

Após relativa estabilização da crise do coronavírus (diante de um total de 29788 mortes), a população francesa foi votar ao 2º turno das eleições municipais neste domingo (28). Com um novo recorde histórico de abstenção que pode atingir até 60%, o pleito aconteceu em 4820 cidades mobilizando cerca de 16 milhões de eleitores.

Planejadas para 15 de março (1º turno) e 22 de março (2º turno), as eleições foram adiadas por razão da pandemia. Realizadas inicialmente em quase 35 mil cidades do país, o resultado inicial mostrava uma significativa derrota de Emmanuel Macron (eleito em maio de 2017) e seu partido-movimento “República em Marcha”, resultado reafirmado na jornada deste domingo.

Das dez maiores cidades do país (em ordem Paris, Marseille, Lyon, Toulouse, Nice, Nantes, Strasbourg, Montpellier, Bordeaux e Lille), 8 ficaram com alianças de partidos progressistas (social-democratas, verdes, socialistas e comunistas). Sendo que somente duas cidades, nomeadamente Nice e Toulouse ficaram com a centro-direita tradicional, do partido “Os Republicanos”, fundado em uma linha liberal-conservadora por Nicolas Sarkozy.

Em Paris, a prefeita socialista Anne Hidalgo foi reeleita com cerca de 50% dos votos contando com o apoio dos verdes, deixando os candidatos apoiados por Sarkozy e Macron para trás.

Apesar de recuperar sua popularidade pessoal nos últimos meses, Macron acumula sua terceira derrota nas urnas desde que foi eleito presidente – após as eleições europeias, o 1º turno das eleições municipais em março e agora neste domingo.

Se nas eleições europeias, a derrota foi para o partido de extrema-direita, “Reencontro Nacional”, de Marine Le Pen; nas eleições deste domingo, Macron viu seus adversários de centro-direita, Os Republicanos e das alianças progressistas conquistarem conselhos da maior parte das cidades do país.

Apesar de Macron ter recebido mais de 65% dos votos em sua eleição e seu partido mais de 50% das cadeiras no parlamento, parece que os resultados favoráveis foram meros retratos do momento. Suas propostas liberais, como a simpatia à imigração, privatização da companhia estatais, as reformas trabalhista e previdenciárias marcaram os dois primeiros anos de seu mandato com protestos diários de sindicalistas e os famosos “coletes amarelos”.

Neste domingo (28), o contexto estava marcado pelos recentes protestos antiracistas e os reflexos políticos e econômicos da crise do coronavírus. Ao que tudo indica, a reeleição de Macron é uma missão quase “impossível”, por outro lado, o crescimento da extrema-direita na Europa parece recuar. O partido gaulista de Nicolas Sarkozy e as alianças progressistas podem liderar o cenário da política francesa no futuro próximo.

*Jornalista e sociólogo. Mestre em Políticas de Trabalho e Globalização pela Universidade de Kassel (Alemanha).

*Este artigo não reflete, necessariamente a opinião da Revista Fórum


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum