Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
08 de janeiro de 2020, 09h20

Gastos dos EUA com conflitos no Golfo eliminaria fome do planeta e reverteria aquecimento global

Os cálculos foram realizados pelo Watson Institute da Universidade de Brown (EUA) e levantados pelo correspondente internacional Jamil Chade

Foto: Wikipedia

De acordo com levantamento feito pelo correspondente internacional Jamil Chade e publicado no UOL desta quarta-feira (8), os EUA gastaram US$ 6 trilhões em operações militares no Golfo, desde 2001. O valor, de acordo com cálculos do jornalista, teria resolvido a fome no mundo ou preparado o planeta para as mudanças climáticas.

Os cálculos foram realizados pelo Watson Institute da Universidade de Brown (EUA) e somaram os gastos do governo americano no Iraque, Afeganistão, Paquistão e Síria, além de operações pontuais na região.

US$ 6 trilhões

Em quase 20 anos de conflitos no Oriente Médio e no Golfo, o governo americano já destinou quase US$ 6 trilhões para financiar as operações com armas e infraestrutura, indenização de veteranos com danos físicos entre outros gastos. A conta deve crescer nos próximos anos, mesmo que haja uma retirada imediata de Bagdá, como querem os iraquianos.

No ano passado, um grupo de 34 personalidades – entre eles o fundador da Microsoft Corp. Bill Gates, o ex-Secretário Geral da ONU Ban Ki-moon e a Diretora Executiva do Banco Mundial Kristalina Georgieva – concluiu que o mundo precisaria de US$1,8 trilhão em investimentos até 2030 para lidar com as mudanças climáticas.

Num outro estudo, a FAO, braço das Nações Unidas para a alimentação mundial, estimou que, para eliminar a fome no mundo até 2030, governos precisariam investir 265 bilhões de dólares por ano através de gastos em medidas como transferências de renda, investimento público a favor dos pobres em irrigação, recursos genéticos, mecanização e estrutura.

Em dez anos, a conta não chegaria aos gastos das guerras americanas no Golfo.

Avaliações elaboradas pelo projeto Cost of War, da mesma Universidade Brown, apontaram que a cada US$ 1 milhão gasto em defesa, 6,9 empregos diretos são gerados. Mas, se o mesmo valor fosse aplicado em educação primária e secundária, a taxa de empregos gerados seria de 19,2 empregos para cada US $ 1 milhão.

Caso o dinheiro fosse usado em saúde, 14,3 empregos diretos seriam criados com US$ 1 milhão.

US$ 5 trilhões

A grande recompensa dos EUA, no entanto, vem mesmo é do petróleo. Em 2003, quando a operação foi lançada, a Casa Branca dizia que seu objetivo era a guerra contra o terror, um mundo mais seguro e a liberdade para milhões de iraquianos. O ex-presidente do Federal Reserve Bank, Alan Greenspan, deixou claro, em 2007, que a história não era bem essa.

“É politicamente inconveniente reconhecer o que todos sabem: a guerra no Iraque é, em grande parte, por conta do petróleo”, disse.

Abaixo, o resumo da conta, textualmente:

“Antes de 2003, a segunda maior reserva do mundo estava nas mãos do estado iraquiano. Quase 20 anos depois, ela está praticamente privatizada e sob o controle de empresas ocidentais. No governo americano, a estimativa é de que a reserva seja de 112 bilhões de barris. Em 2003, 90% desse volume não estava explorado. Os lucros, portanto, prometem ser bilionários por décadas.

17 anos após a invasão, a produção de petróleo do Iraque passou de menos de 1 milhão de barris por dia para 4,8 milhões. Em abril de 2019, o governo iraquiano anunciou que a receita do petróleo havia superado a marca de US$ 7 bilhões para o país.

Para a Agência Internacional de Energia, essa produção pode garantir um total de US$ 5 trilhões até 2035 em receitas.”

Leia o texto completo aqui

Notícias relacionadas


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum