Governador de Beirute diz que metade da cidade foi afetada pelas explosões

Marwan Abboud ainda chorou ao comparar a situação da capital do Líbano com Hiroshima e Nagasaki

O governador de Beirute, Marwan Abboud, comparou a situação da capital libanesa aos atentados de Hiroshima e Nagasaki ao acompanhar as equipes de resgate que atuam na cidade após a destruição provocada por fortes explosões na região portuária.

Segundo Abboud, metade da cidade foi atingida pelas explosões. “Parece o que aconteceu no Japão, em Hiroshima e Nagasaki. Isso é o que me lembra. Em toda a minha vida nunca vi uma destruição nesta escala”, disse o governador, aos prantos.

“É uma catástrofe nacional. É um desastre para el Líbano. Não sabemos como vamos nos recuperar disto. Temos que nos manter fortes, temos que ser valentes”, declarou.

Em entrevista à Al Jazeera, o general Abbas Ibrahim, chefe da segurança da capital, afirmou que a explosão parece ter começado em um armazém com material altamente explosivo que havia sido confiscado há anos.

Inicialmente, autoridades de segurança locais informaram à agência Reuters que, pelo menos, 10 pessoas perderam a vida em razão do episódio. Hamad Hassan, ministro da Saúde, divulgou um novo balanço às 16h, com 27 mortes e 2.500 feridos. Às 21h, um novo informe atualizado falava em 73 mortes e mais de 4 mil pessoas feridas.

Integrantes da Cruz Vermelha afirmaram à agência Sputinik que várias casas estão destruídas e é possível que muitas pessoas estejam debaixo dos escombros.

Com informações do RT e da Al Jazeera

* Informação sobre a quantidade de mortos e feridos na explosão corresponde à atualização oficial informada às 21h desta terça-feira (4)

Publicidade

Assista:

Publicidade
Avatar de Lucas Rocha

Lucas Rocha

Lucas Rocha é formado em jornalismo pela Escola de Comunicação da UFRJ e cursa mestrado em Políticas Públicas na FLACSO Brasil. Carioca, apaixonado por carnaval e pela América Latina, é repórter da sucursal do Rio de Janeiro da Revista Fórum e apresentador do programa Fórum Global

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR