Ouça o Fórumcast, o podcast da Fórum
27 de junho de 2019, 22h55

Governo brasileiro causa tensão na ONU por defender exclusão do termo “gênero”

A cruzada da diplomacia de Ernesto Araújo contra uma suposta "ideologia de gênero" gerou surpresa e risos entre diplomatas na ONU

Foto: Cleia Viana/Câmara dos Deputados

Seguindo orientação dada pelo governo Bolsonaro, os representantes do Brasil na Organização das Nações Unidas (ONU) implementaram nesta quinta-feira (27) uma patrulha contra o termo “gênero” nas resoluções da organização. O fato chocou diversos países, que se opuseram radicalmente à nova postura da diplomacia brasileira.

Segundo o jornalista Jamil Chade, do UOL, a diplomacia brasileira travou um debate inédito solicitando a retirada do termo gênero das resoluções de reunião convocada para debater os direitos humanos de pessoas deslocadas – seja por conflitos armados ou questões ambientais. Muitos países consideram que as mulheres são as mais afetadas por essas questões.

A diplomacia olavista de Ernesto Araújo, no entanto, condenou o uso de qualquer referência que ao termo, argumentando que é uma construção social e o que deve ser levado em conta é o sexo natural da pessoa. Para solucionar, o Brasil pediu a utilização de “igualdade entre homens e mulheres”.

A sugestão, que teve apoio integral da Arábia Saudita, surpreendeu os presentes e gerou total rechaço de países europeus, como Noruega, França, Finlândia, Dinamarca e Suíça. Qualquer mudança defendida pelo Brasil nesse sentido era prontamente rebatida pelo grupo.

Em outra reunião, proposta pelo México, que tinha como objetivo tratar da eliminação de descriminação contra mulher, o Brasil voltou com seu arsenal contra a ideologia de gênero, causando, inclusive, risos entre os representantes presentes. A diplomacia de Araújo exigiu, entre outras mudanças, a troca de “treinamento com base em gênero” para “o treinamento que leve em conta temas de mulheres”.

Quase todos os países presentes, incluindo aliados como Chile, Israel e Argentina, criticaram duramente as posições tomadas pelo Brasil na reunião. Segundo o Uruguai, o Brasil buscava eliminar o “centro da resolução”.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum