Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
04 de março de 2019, 19h38

Guaidó retorna à Venezuela e convoca manifestação para sábado

Para a vice-presidente Delcy Rodríguez, Guaidó expôs negativamente a Venezuela. "Como venezuelana, tenho vergonha alheia por ver uma pessoa não se limitar ao ridículo nacional e seguir para o ridículo internacional", disse.

Nicolás Maduro e Juan Guaidó (Montagem)

De acordo com informações da AFP, o autoproclamado presidente da Venezuela, Juan Guaidó, desembarcou no aeroporto internacional Simón Bolívar, que serve Caracas, às 12h22 (13h22 em Brasília) desta segunda-feira (4), após dez dias fora do país.

Guaidó avisou em suas redes sociais que havia chegado, depois de passar pela alfândega, e acrescentou: “Entramos na Venezuela como cidadãos livres, que ninguém nos diga o contrário”.

A chegada de Guaidó em solo venezuelano foi pacífica. De acordo com a TV Venezuela, sediada em Miami, que transmitiu o desembarque ao vivo, ele não enfrentou impedimentos.

“Seguimos na rua, seguimos mobilizados. Estamos aqui e estamos mais fortes. Vamos conseguir cessar a usurpação em breve na Venezuela”, disse Guaidó ao público eufórico que o esperava no aeroporto.

O comportamento de Guaidó será analisado pelos órgãos do governo de Nicolás Maduro. O anúncio foi feito hoje (4) pela vice-presidente venezuelana, Delcy Rodríguez.

“Seu comportamento e suas atividades serão cuidadosamente analisadas pelas instituições do Estado. Medidas apropriadas serão tomadas”, disse a vice-presidente referindo-se a Guaidó, lembrando que também serão analisadas suas ações nas visitas aos países vizinhos.

Para Delcy Rodríguez, Guaidó expôs negativamente a Venezuela. “Como venezuelana, tenho vergonha alheia por ver uma pessoa não se limitar ao ridículo nacional e seguir para o ridículo internacional”, disse.

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, já declarou que Guaidó “pode sair e voltar, mas terá de dar explicações à Justiça, porque foi proibido de deixar o país”.

O TSJ impôs a proibição após Guaidó, presidente da Assembleia Nacional, declarar-se presidente interino da Venezuela, em 23/1, argumentando que a “presidência foi usurpada por Maduro”, reeleito em eleições consideradas fraudulentas, boicotada por grande parte da oposição e sem a presença de observadores internacionais.

Maduro diz que Guaidó está tentando fomentar um golpe apoiado pelos EUA e que a tentativa de entrada de ajuda humanitária seria um cavalo de Troia para uma intervenção militar americana.

Ele convocou uma nova marcha para o sábado (9). “No sábado continuamos nas ruas, toda a Venezuela volta às ruas”, disse.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum