Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
01 de abril de 2019, 15h17

Hamas diz que ações de Bolsonaro em Israel ameaçam “laços brasileiros com nações árabes e islâmicas”

Em nota, grupo militante islâmico Hamas condena visita de Bolsonaro à Cidade Antiga de Jerusalém e a instalação de escritório brasileiro

Hamas condenou visita de Israel a Jerusalém antiga (Montagem)

Por Pedro Moreira, de Jerusalém, especial para a Fórum

O grupo militante Hamas emitiu um comunicado nesta segunda-feira (1º) em que condena a visita do presidente Jair Bolsonaro à Israel, chamado pelo grupo de “ocupação israelense”.

O documento, divulgado em inglês na página do grupo na internet, afirma que a visita é “um movimento que não apenas contradiz a atitude histórica do povo brasileiro que apoia a luta pela liberdade do povo palestino contra a ocupação, mas também viola as leis e normas internacionais.”

Leia também: Em ato provocativo e inédito na diplomacia, Bolsonaro visita Muro das Lamentações com Benjamin Netanyahu

O grupo militante destaca a passagem de Bolsonaro pela cidade antiga de Jerusalém, com a visita ao Muro das Lamentações acompanhado pelo “primeiro-ministro das ocupações israelenses.”

O Hamas, que controla a Faixa de Gaza, também condenou o anúncio do governo Bolsonaro de abrir um escritório em jerusalém.

A Fórum está fazendo uma cobertura exclusiva da viagem do presidente Jair Bolsonaro a Israel e precisa do seu apoio. Clique aqui e saiba como ajudar

“O movimento também condena o plano anunciado de criação de um escritório comercial para o Brasil em Jerusalém.”

Num tom moderado, em comparação com os comunicados que costuma emitir sobre medidas tomadas por Israel, o grupo “conclama o Brasil a reverter imediatamente essa política que é contra o direito internacional e as posições de apoio do povo brasileiro e dos povos da América Latina”.

Por fim, alegam que “essa política não atende à estabilidade e segurança da região e ameaça os laços brasileiros com nações árabes e islâmicas”.

E pede que a comunidade internacional interceda no caso, instando “a Liga Árabe, a Organização da Cooperação Islâmica e todas as organizações internacionais a pressionar o governo brasileiro a derrubar esses movimentos que apoiam a ocupação israelense e fornecer cobertura para seus abomináveis crimes e violações contra o povo palestino”.

Antiga Jerusalém
A cidade antiga, uma área de cerca de 3 km2 cercada por uma muralha, abriga os locais sagrados das três maiores religiões monoteístas: Judaísmo, Cristianismo e Islamismo.

A Fórum está fazendo uma cobertura exclusiva da viagem do presidente Jair Bolsonaro a Israel e precisa do seu apoio. Clique aqui e saiba como ajudar

Pelo plano de partilha da Palestina aprovado na ONU em 1947, que previa a criação do Estado de Israel e do Estado da Palestina, a cidade antiga permaneceria fora dos limites dos dois países, sendo administrada por uma força internacional.

Como o Estado palestino não foi criado, esse pequeno pedaço de terra ficou sob a administração da Jordânia, até 1967, quando foi ocupada pelas tropas israelenses durante a Guerra dos Seis Dias.

O Hamas é um grupo militante que controla a Faixa de Gaza desde 2007, depois que derrotou o Fatah, mais moderado, nas eleições. Alguns países, como o próprio Israel e os Estados Unidos o considera um grupo terrorista.

Atualmente, há outros grupos adeptos do radicalismo islâmico que atuam em Gaza, como a Jihad Islâmica Palestina. Devido à depreciação das condições de vida dentro do enclave, provocada sobretudo pelo bloqueio promovido por Israel, o Hamas tem sido alvo de protestos da população de Gaza. E tem reprimido esses protestos com violência.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum