Imprensa internacional ignora discurso de Bolsonaro na ONU

Alguns veículos chegaram a destacar a fala negacionista e antivacina do presidente; o New York Times chamou o discurso de "momentos embaraçosos" em uma pequena nota

O discurso negacionista do presidente Jair Bolsonaro (Sem Partido) nesta terça-feira (21), na 76ª Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU), em Nova York, foi praticamente ignorado pela maioria dos grandes jornais do planeta.

O diário americano The New York Times resumiu em uma pequena nota e o título: “momentos embaraçosos”, a fala do presidente brasileiro:

“O presidente Jair Bolsonaro do Brasil, que repetidamente minimizou a pandemia e ele próprio não foi vacinado, defendeu o uso de drogas não comprovadas para a Covid em discurso na terça-feira na Assembleia Geral da ONU”, afirmou o diário.

A rede de notícias Al Jazeera seguiu na mesma linha e cravou na chamada: “Primeiro líder mundial a falar, Bolsonaro não vacinado”. O canal destacou que Bolsonaro se irritou com as medidas de restrição em Nova York e na ONU.

A rede também chamou a atenção para o fato do presidente brasileiro ter defendido em seu discurso o uso de medicamentos não comprovados contra o coronavírus.

A All Jazeera ainda disse que Bolsonaro responsabilizou a quarentena pelo aumento da inflação e sustentou que não há corrupção em seu Governo, “investigado por tentativa de compra fraudulenta de vacinas”.

Nada muito mais o que isso. Bolsonaro foi solenemente ignorado pela imensa maioria dos jornais do planeta.

Avatar de Julinho Bittencourt

Julinho Bittencourt

Jornalista, editor de Cultura da Fórum, cantor, compositor e violeiro com vários discos gravados, torcedor do Peixe, autor de peças e trilhas de teatro, ateu e devoto de São Gonçalo - o santo violeiro.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR