Fórumcast, o podcast da Fórum
04 de julho de 2019, 18h30

Jogadora de futebol feminino dos EUA ataca Trump: “Não respeito quem não merece respeito”

“Conheço mulheres que você (Trump) não pode controlar. Eu fico do lado da Rapinoe. Eu não apoio este governo, nem sua luta contra os cidadãos LGBT, imigrantes e pessoas mais vulneráveis”, disse Ali Krieger

Foto: Reprodução/YouTube

Depois que Megan Rapinoe, jogadora da seleção dos Estados Unidos de futebol, finalista da Copa do Mundo Feminina, ter dito que, caso sua equipe conquiste o título, não vai à Casa Branca cumprimentar o presidente Donald Trump, agora foi a experiente Ali Krieger, que deixou bem claro sua concordância com a companheira.

“Eu me recuso a respeitar um homem que não merece respeito. Sinto que ficar em silêncio pode favorecer o opressor e eu não quero que ela (Rapinoe) sinta que está passando por isso sozinha, pois muitas de nós temos o mesmo sentimento. Como uma das amigas mais próximas, quero ter certeza de que ela não sinta isso”, declarou Krieger, de 34 anos, em entrevista à CNN.

Inscreva-se no nosso Canal do YouTube, ative o sininho e passe a assistir ao nosso conteúdo exclusivo.

No dia 26 de junho, após a polêmica entre Rapinoe e Trump, Krieger, que disputou três Mundiais e foi campeã em 2015, se pronunciou no Twitter.

Sem apoio

“Conheço mulheres que você (Trump) não pode controlar. Eu fico do lado da Rapinoe. Eu não apoio este governo, nem sua luta contra os cidadãos LGBT, imigrantes e pessoas mais vulneráveis”.

A briga entre Rapinoe e Trump teve início quando a jogadora afirmou que não aceitaria visitar a “’p… da Casa Branca”, em caso de título. O presidente rebateu em suas redes sociais, e Rapinoe manteve o discurso.

“Me recuso a ficar sentada e assistir a um agressor, um valentão falar assim com minha amiga. Eu a apoio como amiga e queria ter a certeza de dizer algo que significa algo e é importante para mim. Por isso o fiz”, destacou Krieger.


Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum