Justiça nega pedido de prisão a Keiko Fujimori no Peru

A candidata derrotada nas eleições foi alvo de ação do MP por ter mantido contato com testemunhas do processo em que ela é julgada

O Poder Judicial do Peru decidiu nesta segunda-feira (21) que Keiko Fujimori, candidata derrotada nas eleições presidenciais e filha do ex-ditador Alberto Fujimori, não precisará retornar à prisão no país. O Ministério Público alegou que ela havia infringido regras estabelecidas pelas medidas cautelares impostas contra ela em razão das investigações do Caso Odebrecht.

Uma das regras impostas foi a proibição de se comunicar com testemunhas em razão do perigo de obstaculizar as investigações. Segundo o procurador José Domingo Pérez, a candidata teria infringido essa determinação durante as eleições ao se comunicar com o ex-congressista Miguel Torres, do partido Força Popular (mesmo de Keiko).

A defesa de Keiko alegou que os contatos mantidos eram públicos e não tinham a ver com as investigações.

O juiz Víctor Zúñiga não enxergou violação das cautelares e decidiu manter o mesmo regime contra ela.

Além de Torres, Keiko se reuniu com Martha Chávez, que também é testemunha no processo.

A candidata foi derrotada nas urnas pelo presidente eleito Pedro Castillo, do Peru Livre, no dia 6 de junho, mas não aceitou o resultado que garantiu a vitória ao socialista por margem apertada (0,25 ponto percentual). Sem apresentar provas concretas, a filha do ex-ditador tenta anular votos conquistados por ele e tem provocado um clima de forte instabilidade no país.

Avatar de Lucas Rocha

Lucas Rocha

Lucas Rocha é formado em jornalismo pela Escola de Comunicação da UFRJ e cursa mestrado em Políticas Públicas na FLACSO Brasil. Carioca, apaixonado por carnaval e pela América Latina, é repórter da sucursal do Rio de Janeiro da Revista Fórum e apresentador do programa Fórum Global

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR